segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Novo livro de Gonçalo Cadilhe

Gonçalo Cadilhe e viagens são duas realidades inseparáveis. E, apressem-se, fãs de Cadilhe: o Esplendor do Mundo chega quarta-feira (dia 22) às livrarias de todo o país.

Do nascer-do-sol nas dunas da Namíbia ao entardecer nas Cinque Terre, da descida do rio Mekong em balsa à travessia do Pacífico num cargueiro, ou dos Templos de Tikal ao exército de terracota de Xian, Gonçalo Cadilhe seleciona nestas páginas 99 destinos que o leitor devia conhecer, mesmo aqueles que nunca irá querer visitar.




domingo, 19 de novembro de 2017

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Estamos no TWITTER

Pois é, decidi criar a página Capa Mole & Companhia no Twitter. Bem sei que no Facebook talvez tivesse mais visibilidade, mas uma coisa de cada vez e optei pela rede social do passarinho azul.

Sigam em https://twitter.com/CapaMole e serão crianças muito mais felizes, até porque algumas das coisas que coloco por lá, não aparecem no blogue, para não sobrecarregar a minha audiência.

Ainda tenho pouquinhos seguidores, mas com amor e carinho, iremos crescer!


quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Novidade: O Bebedor de Horizontes, de Mia Couto

A apresentação deste livro teve lugar na Sala do Arquivo da Câmara Municipal de Lisboa, 
no passado dia 9 de novembro.

Esta novidade da Caminho faz parte da trilogia As Areias do Imperador, constituída pelos livros Mulheres de Cinza (livro um) e A Espada e a Azagaia (livro dois)

Neste último volume da trilogia, os prisioneiros embar­cam no cais de Zimakaze e a lancha parte em direção ao posto de Languene. Ali farão uma breve paragem para depois rumarem para o estuário do Limpopo e ali darem início à viagem marítima que conduzirá os africanos para um distante e eterno exílio.

Sobre o autor:
Mia Couto é largamente traduzido e galardoado: Prémio Vergílio Ferreira 1999; Prémio União Latina de Literaturas Românicas 2007. Ainda em 2007 Mia foi distinguido com o Prémio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura pelo seu romance O Outro Pé da Sereia. Jesusalém foi considerado um dos 20 livros de ficção mais importantes da rentrée literária francesa por um júri da estação radiofónica France Culture e da revista Télérama. Em 2011 venceu o Prémio Eduardo Lourenço, Em 2013 foi galardoado com o Prémio Camões e com o prémio norte-americano Neustadt.

Ficha técnica:
PVP: 18,80 euros 
(16,92 euros no site http://www.leyaonline.com, numa promoção de 10% até 07/02/2018)
384 páginas
ISBN: 9789722128889

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Nas livrarias: 1147 A Conquista de Lisboa, de Miguel Gomes Martins

A apresentação deste livro decorreu na FNAC do Chiado, tendo sido apresentado por José Varandas, professor auxiliar da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, sub-diretor do Centro de História e coordenador do curso de Mestrado em História Militar. 

Sobre o livro:
No início de julho de 1147, auxiliado pelos Cruzados, D. Afonso Henriques deu início à tomada de Lisboa aos muçulmanos. A empreitada, que ficou conhecida como A Conquista de Lisboa ou o Cerco de Lisboa, levou 3 meses e terminou em outubro do mesmo ano, passam agora 870 anos.

Ao recorrer ao testemunho de múltiplas fontes portuguesas e estrangeiras que até hoje têm sido pouco utilizadas, o historiador Miguel Gomes Martins - autor dos livros De Ourique a Aljubarrota, Guerreiros Medievais Portugueses e Guerreiros de Pedra - apresenta uma nova perspetiva sobre este episódio algo esquecido pela historiografia das últimas décadas.

Com base em novas informações sobre a História Militar da Idade Média, a Lisboa muçulmana e a História da Cruzada, o autor reconstitui, de uma forma rigorosa e eloquente, este acontecimento decisivo na nossa história e na construção do país que somos hoje.

Sobre o autor:
Miguel Gomes Martins nasceu em Lisboa em Fevereiro de 1965. É licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e é mestre e doutor em História da Idade Média pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, grau que obteve com a dissertação intitulada Para Bellum. Organização e Prática da Guerra em Portugal durante a Idade Média - 1245-1367 (Prémio Defesa Nacional – 2009). 
É autor de diversos trabalhos de História Militar Medieval (entre monografias, artigos e actas de congressos), de entre os quais se destacam os livros Lisboa e a Guerra (1367-1411); A Vitória do Quarto Cavaleiro – O Cerco de Lisboa de 1384; A Alcaidaria e os Alcaides de Lisboa (1147-1433); As Cicatrizes da Guerra no Espaço Fronteiriço Português (1250-1450), em co-autoria com João Gouveia Monteiro (Prémio Cunha Serra, da Academia Portuguesa de História – 2011); De Ourique a Aljubarrota – A Guerra na Idade Média; Guerreiros Medievais Portugueses-De Geraldo Sem-Pavor ao Conde de Avranches; A Arte da Guerra em Portugal - 1245 a 1367 (Prémio Augusto Botelho da Costa Veiga - 2014);Guerreiros de Pedra. Castelos, Muralhas e Guerra de Cerco em Portugal na Idade Média (Prémio Augusto Botelho da Costa Veiga, da Academia Portuguesa da História - 2016). 
É técnico superior do Gabinete de Estudos Olisiponenses, colaborador do Centro de Estudos da História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra e investigador integrado do Instituto de Estudos Medievais, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova, onde lecciona a cadeira opcional de História da Guerra na Idade Média.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Novidade: A Terceira Voz, de Cilla e Rolf Börjlind

Sinopse:
Um homem enforcado, uma mulher brutalmente assassinada, um denominador comum.

Após ter descoberto uma verdade perturbadora e violenta sobre o seu passado, Olivia Rönning decide adiar o que poderia ser uma promissora carreira na Polícia. É então que o pai da sua amiga Sandra Sahlmann, um funcionário da alfândega em Estocolmo, aparece enforcado em casa.

À primeira vista, tudo aponta para suicídio. Olivia, porém, sente que algo não bate certo. Ela sabe que não se deve envolver, mas o caso torna-se demasiado pessoal.

Em simultâneo, uma mulher é brutalmente assassinada em Marselha, França. Trata-se de Samira Villon, uma ex-artista de circo cega que fazia filmes pornográficos para sobreviver. Sem saber o que o espera, Tom Stilton, um ex-inspetor da Polícia com quem Olivia colaborou no passado, é arrastado para este caso.

Duas mortes aparentemente desligadas entre si juntam novamente Olivia Rönning e Tom Stilton numa investigação de contornos surpreendentes. Conseguirão eles resolver ambos os casos e impedir que mais pessoas tenham destinos trágicos?

Sobre os autores:
Cilla e Rolf Börjlind são um casal de autores bestsellers suecos, cujas obras retratam uma sociedade repleta de conflitos sociais.
Figuram entre os argumentistas mais aclamados da Suécia, sendo autores de 26 guiões de policiais e thrillers para cinema e televisão.
Maré Viva, o primeiro thriller dos autores que a Topseller lançou, recebeu arrebatados elogios por parte da crítica, tendo os seus direitos sido vendidos para 30 países.
A Topseller orgulha-se agora de dar a conhecer aos leitores portugueses A Terceira Voz, o thriller seguinte desta dupla maior da literatura escandinava.

Ficha Técnica:
​Edição Topseller
19,99€ 
448 páginas​


segunda-feira, 13 de novembro de 2017

A Cicatriz do Mal, de Pierre Lemaitre

"Não conhecemos mais de uma centésima parte do que nos acontece. 
Não sabemos que pequena parte de céu paga todo este inferno"
William Gaddis, The Recognitions
(frase que antecede o início da ação do livro)


aqui tinha falado deste livro - A Cicatriz do Mal, de Pierre Lemaitre - na altura do seu lançamento. E agora tive a hipótese de o ler. Com algumas (MUITAS!) interrupções pelo meio, porque um certo cavalheiro de 4 anos não gosta de ver a mãe a ler tranquilamente, demorei mais de uma semana a terminá-lo...

A Cicatriz do Mal é a conclusão da trilogia que envolve o comissário Camille Verhœven,  comandante da Brigada Criminal francesa. Neste livro, vemos a história de Camille, após os eventos de "Irène" e "Alex", os primeiros livros desta série".

A Cicatriz do Mal é o meu género de livro: thriller/policial negro, com um protagonista que não é um herói... será, aliás, muito mais um anti-herói. Não é o polícia bonito e sexy que derrete corações enquanto resolve crimes, mas sim um policial com 1,45 metro, viúvo, pouco social, que pouco segue as regras...

Neste livro - que aviso já: não é para meninos! - começamos imediatamente com um resumo daquilo que vai acontecer: a mulher que Camille ama vai ser atingida por três tiros de espingarda de repetição, exatamente no dia em que é o funeral do seu melhor amigo. Após o luto, Camille consegue superar a perda da mulher e envolve-se com Anne Forestier, "uma mulher luminosa": "delicadamente morena, um belo olhar verde-claro, um sorriso estonteante quanto baste...".
Durante um dia normal, Anne, simplesmente, está no sítio errado, na hora errada, quando dá de caras com um trio de assaltantes, à entrada de umas galerias comerciais. Violentamente espancada e atingida a tiro, Anne, por milagre, sobrevive e é transportada para o hospital.

Camille, saltando etapas, consegue que este caso lhe seja entregue, nunca revelando a relação que o liga a esta vítima que ele finge não conhecer - este namoro é recente e praticamente secreto. Inclusivamente, mente aos seus superiores de forma a manter-se na investigação.

Anne continua a ser perseguida: no hospital e no refúgio para onde Camille a leva.

Mas quem é esta mulher? Porquê esta fixação por Anne? O que não está a ser bem explicado? Quem é a verdadeira vítima de todo este cenário?

São estas perguntas - sem resposta aparente - que queremos ver respondidas. O mais depressa possível.
O livro está muito bem construído. Vemos a ação sob a perspetiva de Camille e do assaltante, durante as várias horas de 3/4 dias consecutivos... o tempo que vai desde o assalto até à conclusão do caso.


Novidade: Os Meninos da Estrela Amarela, de Mario Escobar

Cada geração conserva a esperança de que o mundo volte a começar de novo.

Sinopse:

Jacob e Moisés Stein vivem com a sua tia Judith em Paris até que, em agosto de 1942, começa a grande rusga contra os judeus estrangeiros.

Os seus pais, uns conhecidos dramaturgos alemães, esconderam-se na França Livre, mas, antes que a sua tia consiga enviá-los para o sul, os gendarmes detêm-nos e levam-nos para o Velódromo de Inverno, onde mais de quatro mil crianças, cinco mil mulheres e três mil homens tiveram de subsistir sem comida e sem água durante cinco dias. Jacob e Moisés conseguem fugir antes de serem enviados de comboio para o Campo de Drancy. Quando chegam à sua casa, em Paris, a tia tinha desaparecido. Decidem viajar sozinhos para Valence, para procurar os pais, mas o caminho não será nada seguro nem fácil.

Sobre o autor:
Mario Escobar, romancista, historiador e colaborador habitual da National Geographic Historia, dedicou toda a sua vida à investigação dos grandes conflitos humanos. Os seus livros foram traduzidos para mais de doze línguas, convertendo-se em best sellers em países como os Estados Unidos, Brasil, China, Rússia, Itália, México e Japão, e é o autor mais vendido em formato digital, em espanhol, na Amazon. Os meninos da estrela amarela é o seu segundo romance publicado pela HarperCollins Ibérica, depois do grande êxito alcançado com Canção de embalar de Auschwitz.

Ficha Técnica:
Harper Collins
16,90 €
368 páginas

domingo, 12 de novembro de 2017

Novidade: Matar o Salazar, de António Araújo

A história de um atentado falhado

Sinopse:
4 de Julho de 1937: António de Oliveira Salazar sai da sua viatura oficial para assistir à missa de domingo, celebrada numa capela particular de Lisboa. Subitamente, é detonada uma bomba de grande potência, que estilhaça janelas de prédios vizinhos e levanta tampas de esgoto na rua, mas deixa incólume o chefe do Governo.

Matar o Salazar regressa a esse momento histórico e vai além da explosão nas Avenidas Novas de Lisboa, relatando os acontecimentos a par e passo, e descrevendo o ambiente da época: as manobras da propaganda para reforçar a imagem providencial do ditador e o consequente endurecimento do regime perante as ameaças vindas da Guerra Civil espanhola; a desastrada investigação da PVDE, que capturou inocentes; um processo complexo que expôs, como nunca antes, as rivalidades entre as polícias do Estado Novo; as consequências para os anarquistas e a eterna luta destes com os comunistas; os contrastes entre uma Lisboa burguesa e uma Lisboa popular.

O historiador António Araújo descreve neste livro o atentado à bomba contra Salazar, que expôs as fragilidades mas também a força do Estado Novo e as tensões existentes no país

Sobre o autor:
António Araújo (Lisboa, 1966) é mestre em Direito pela Faculdade de Direito de Lisboa e doutor em História Contemporânea, com uma tese sobre o caso da Capela do Rato. É autor de vários artigos e livros sobre história política, ciência política e direito constitucional, sendo os mais recentes Da Direita à Esquerda — Cultura e sociedade em Portugal, dos anos 80 à actualidade (2016) e Consciência de Situação. Um ensaio sobre The Falling Man (2017). É editor do blogue Malomil.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Novidade: Mal Me Quer, de M. J. Arlidge

Dois crimes num espaço de duas horas são o ponto de partida de uma nova aventura para a detetive Helen Grace, que terá 24 horas para resolver um quebra-cabeças mortal.

«Sinistro e de leitura compulsiva.»
The Times

Sinopse:
MAL ME QUER
O corpo sem vida de uma mulher é encontrado no meio da estrada. À primeira vista parece tratar-se de um acidente trágico, mas quando a inspetora Helen Grace chega ao local do crime, torna-se claro para ela que a mulher foi vítima de um assassínio a sangue-frio sem razão aparente.

BEM ME QUER
Duas horas depois, do outro lado da cidade, um empregado de loja é morto, enquanto os seus clientes escapam ilesos.

MAL ME QUER
Ao longo do dia, a cidade de Southampton viverá um clima de terror às mãos de dois jovens assassinos, que parecem matar ao calhas.

BEM ME QUER
Para a inspetora Helen Grace, este dia vai tornar-se uma corrida contra o tempo. Quem vive? Quem morre? Quem será o próximo? O relógio não para…
Se Helen não conseguir resolver este quebra-cabeças mortal, mais sangue será derramado. E, se cometer algum erro, poderá muito bem ser o dela…

Sobre o autor:
M. J. Arlidge trabalha em televisão há 15 anos, tendo-se especializado em produções dramáticas de alta qualidade. Nos últimos anos produziu um grande número de séries criminais passadas em horário nobre na ITV, rede de televisão do Reino Unido.
Escreveu uma nova série policial para a BBC, além de estar a criar novas séries para canais de televisão britânicos e americanos.
Os seus livros anteriores — Um, Dó, Li, Tá, À Morte Ninguém Escapa, A Casa de Bonecas, A Vingança Serve-se Quente, Na Boca do Lobo e O Anjo da Morte — também publicados pela Topseller, foram êxitos de vendas internacionais.

Ficha Técnica
Mal Me Quer
Edição Topseller
17,69€
320 páginas

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Novidade: Gun Games, de Faye Kellerman

"Esta nova entrega de uma história de Decker/Lazarus mostra-nos que Kellerman está em forma, abordando um tema tão atual como o bullying através de uma intriga tão veloz que conquistará todos os leitores."
Booklist

Sinopse:
O inspetor-coordenador do Departamento da Polícia de Los Angeles, Decker e a esposa, Rina, acolheram na sua casa Gabriel Whitman, um adolescente de quinze anos, filho de uma amiga com problemas.

Embora o enigmático rapaz pareça estar a adaptar-se, Decker conhece bem os segredos que guardam os adolescentes, como confirma o trágico suicídio de outro adolescente, Gregory Hesse, um estudante do Bell and Wakefield, um dos colégios mais exclusivos da cidade. 

Wendy, a mãe de Gregory, nega-se a acreditar que o filho tenha dado um tiro nele próprio e convence Decker para que investigue mais. O que ele descobre inquieta-o. A pistola utilizada na tragédia era roubada, prova que o impulsiona a abrir uma investigação mais aprofundada. Mas o caso complica-se com o suicídio de outro estudante do Bell and Wakefield, uma morte que os leva a descobrir um desagradável grupo de estudantes ricos e privilegiados com um gosto excessivo pelas armas e a violência. 

Decker pensava que entendia os jovens e, no entanto, quanto mais se aproximam da verdade, a sua equipa e ele, mais se apercebe do pouco que sabe sobre eles, inclusive sobre o rapaz que tem a seu cargo, Gabe. Filho de um mafioso e de uma mãe ausente, o rapaz levou uma vida com demasiado tempo livre, demasiadas ausências injustificadas e muito pouca supervisão adulta.

Antes de terminar, o caso e as suas terroríficas repercussões levarão Decker e os seus inspetores por um caminho escuro de lealdades retorcidas e alianças infames, culminando num vertiginoso ponto de não retorno.

Ficha Técnica:
Harper Collins
17,70 €
416 páginas

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Novidades de novembro da editora Clube do Autor


De Tom Bissel, jornalista, crítico e autor de várias obras de ficção, distinguido com o Rome Prize da Academia Americana em Roma, Apóstolos é uma viagem profunda e reveladora às origens do cristianismo.

Mesmo sendo o cristianismo uma das maiores religiões do mundo, a verdade sobre a vida e a personalidade dos doze homens que difundiram esta fé mantém-se secreta e misteriosa, perdida entre os mitos que surgiram ao longo de dois milénios. É esta verdadeira história que Tom Bissell procura nesta obra. Quem eram realmente os discípulos? Qual o seu legado? Como nasceu a religião que hoje conhecemos como cristianismo?

Baseado numa rigorosa pesquisa sobre o Novo Testamento e a sua própria peregrinação pelos países onde supostamente se encontram os sepulcros dos Doze Apóstolos, o autor dá resposta a estas e outras perguntas. Escrito de forma empática e com uma invulgar perspicácia, Apóstolos é um livro original e esclarecedor que agradará a todos os que se interessam por religião e história.

"Um livro cativante sobre as histórias que cresceram obstinadamente à volta dos que eram mais próximos de Jesus." The Guardian

* * *

Publicado pela primeira vez em 1857, Madame Bovary, que nesta edição conta com prefácio de Clara Ferreira Alves, gerou grande polémica por causa dos temas abordados e da linguagem ousada. Viria a abrir o caminho ao romance moderno, tornando o autor, Gustave Flaubert, uma referência incontornável na história da literatura.

Ema Bovary é uma jovem bonita e requintada para os padrões provincianos da sociedade em que vive. Presa num casamento que a aborrece, aspira às grandes emoções que encontra nas páginas dos livros que lê compulsivamente. A vida, o marido e a sua imaginação não são suficientes; arranja um amante, e mais outro, mas nenhum é capaz de satisfazer os seus anseios. Revoltada com a sua vida, Ema perseguirá os seus sonhos, com consequências trágicas.

Madame Bovary é um romance atual sobre uma mulher iludida pelos livros e que tenta fugir ao tédio da realidade, do seu casamento e da sua família através de uma série de adultérios e de compras compulsivas.
* * *

A estes livros junta-se uma nova edição do romance de José Manuel Saraiva, As Lágrimas de Aquiles. Baseado nas experiências do autor na Guerra do Ultramar, o livro ficciona sobre o amor, a saudade, a guerra e as escolhas que se tornam a nossa vida. Ou que acabam com ela.

A Guerra Colonial tinha acabado há mais de 20 anos quando o ex-alferes Nuno Sarmento decide voltar à Guiné, numa busca do seu passado perdido. Nas matas onde viu morrer e foi morrendo, onde se faziam emboscadas e ataques, encontra apenas o desgosto e as lembranças mais dolorosas de uma guerra sem causa clara, em que parece que se perdeu mais do que se ganhou.

Apenas um jovem estudante da Universidade de Coimbra quando tinha sido chamado às fileiras, deixara em Portugal a esperança de um futuro melhor e um amor à espera. Ao voltar do Ultramar, o amor já não esperava e ele próprio já não era o mesmo. Só tinha encontrado esquecimento, desilusão e a insistente dúvida sobre se tudo teria valido a pena.

A guerra tinha acabado, era certo; mas, dentro dele, não existiam tréguas.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Os Nove Magníficos, de Helena Sacadura Cabral

No início de outubro, tinha dado um cheirinho (aqui) de Os Nove Magníficos, de Helena Sacadura Cabral. 

Felizmente, tive a oportunidade de ler este livro, graças à editora Clube do Autor, e tive acesso a uma obra que dá um novo ar às "estórias" por trás da História de nove dos 35 Reis portugueses. 
A autora assinou um pequeno "Antes de começar..." onde explica algumas razões pelas quais elegeu D. Afonso Henriques, D. Dinis, D. João I, D. João II, D. Manuel I, D. João IV, D. José I, D. João VI e D. Carlos para figurarem nas páginas seguintes, e não outros. 

"O que me moveu antes, e o que me levou, depois, a escrever mais este foi, outra vez, o prazer de descobrir quem foram as pessoas que se esconderam por detrás das personagens que a vida encarregou de colocar, ao longo dos século, como governantes da nossa gente"

"Muitos terão, mesmo, mostrado alguma crueldade aos olhos de quem vive no século XXI. Mas todos, ou quase todos, tiveram um projeto de engradecimento para o reino, uma ideia para Portugal, pela qual lutaram denodadamente"

Os Nove Magníficos é um livro, onde em cerca de 270 páginas (exclui a introdução e as notas, fontes e bibliografia), Helena Sacadura Cabral nos apresenta pequenas biografias dos Reis que enumerei acima, com algumas curiosidades, num estilo próprio, e onde não se coíbe de dar "um dedinho" pessoal.

Por exemplo, nas páginas dedicadas a D.Afonso Henriques, lemos: "Se a progenitora não terá sido um exemplo de comportamento moral - e porque haveria de o ser? - , também não terá sido a mulher de costumes depravados que os seus opositores tentaram fazer dela. Não restarão muitas dúvidas de que D. Teresa seria uma personalidade forte, ambiciosa e convicta (...)" e continua. 

Gostei, portanto, do tom descontraído e despretencioso que a autora - que já leva uns quantos anos de experiência nestas lides - empregou. 

É um título a reter, meus queridos leitores. Não se esqueçam que o Natal está à porta e haverá muito boa gente a quem este livro cai que nem uma luva. 

Cada biografia é antecedida de um "retrato" do "visado"


Um detalhe que amei... uma mãe é e será sempre uma mãe! 


domingo, 5 de novembro de 2017

Próximos lançamentos editoriais

Estes são alguns dos lançamentos que se irão realizar nos próximos dias. Confessem lá que não dão vontade de levantar o rabiosque do sofá e ir lá?? Vá... vamos ser honestos!!!

E reservem nas agendas os dias 7 e 9 de novembro!






sábado, 4 de novembro de 2017

Novidade: Vidas Finais, de Riley Sager

É um dos grandes livros do ano, apelidado pelo mestre Stephen King como «o grande thriller de 2017». Grande aposta internacional, foi vendido para mais de 20 países ainda em manuscrito e chega agora às livrarias portuguesas.

"A história conduz a um final fantástico, que fará lembrar aos leitores A Rapariga no Comboio, de Paula Hawkins. Este genial thriller psicológico vai desaparecer rapidamente das prateleiras" 
Library Journal

"Uma leitura incrível" 
Karin Slaughter

Sinopse:
Há dez anos, Quincy Carpenter, uma estudante universitária, foi a única sobrevivente de uma terrível chacina numa cabana onde passava o fim de semana com amigos. A partir desse momento, começou a fazer parte de um grupo ao qual ninguém queria pertencer: as Últimas Vítimas. Desse grupo fazem também parte Lisa Milner, que perdeu nove amigas esfaqueadas na residência universitária onde vivia, e Samantha Boyd, que enfrentou um assassino no hotel onde trabalhava.

As três raparigas foram as únicas sobreviventes de três hediondos massacres e sempre se mantiveram afastadas, procurando superar os seus traumas. Mas, quando Lisa aparece morta na banheira de sua casa, Samantha procura Quincy e força-a a reviver o passado, que até ali permanecera recalcado.

Quincy percebe, então, que se quiser saber o verdadeiro motivo por que Samantha a procurou e, ao mesmo tempo, afastar a polícia e os jornalistas que não a deixam em paz, terá de se lembrar do que aconteceu na cabana, naquela noite traumática.

Mas recuperar a memória pode revelar muito mais do que ela gostaria.

Sobre o/a autor/a:
Riley Sager (pseudónimo) é natural da Pensilvânia. Escreve e trabalha em edição e design gráfico.
Vidas Finais: As Sobreviventes é o seu primeiro thriller e foi um verdadeiro êxito, tendo sido publicado em mais de 18 países.
Além de escrever, Riley adora ler, ver filmes e cozinhar.
Atualmente, vive em Princeton, New Jersey.

Ficha Técnica:
Edição Topseller
18,79€
384 páginas

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Novidade: Reaccionário com dois cês, de Ricardo Araújo Pereira

Rabugices sobre os novos puritanos e outros agelastas

Por ter frequentado colégios religiosos em criança, o autor habituou-se a ouvir avisos de sacerdotes: «Não se diz essa palavra», «Com esse assunto não se brinca», «Essa figura é sagrada». Agora que é velho, ouve os mesmos avisos da boca de outros sacerdotes — sobre outras palavras, outros assuntos e outras figuras, mas os avisos são exactamente os mesmos. O puritanismo, a aversão ao riso, a vontade de castigar e a convicção de que o castigo é aplicado por juízes infalíveis, também.

Quanto a novidades como o brunch, as caixas de comentários de jornais online, a moderna utilização do adjectivo «brutal», o pensamento positivo, as notícias de lifestyle, e todos os meios de comunicação inventados depois do telégrafo, o autor é igualmente reaccionário. Com dois cês, como deve ser.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Novidade: O Urso e O Piano, de David Litchfield

Vencedor do Prémio Waterstones para melhor livro ilustrado e acalmado pela crítica internacional, O Urso e o Piano, de David Litchfield, chega finalmente às livrarias nacionais pela mão da Booksmile. Uma história comovente e maravilhosamente ilustrada sobre a música e a amizade.

Sinopse:
​Um dia, um ursinho encontra na floresta uma coisa estranha… É grande, parece uma caixa e tem teclas que fazem PLONC! A partir do momento em que descobre que a coisa estranha produz sons magníficos, ele embarca numa viagem que o leva para longe de casa. Num​ ​piscar de olhos, o urso vai parar a uma terra nova e maravilhosa, onde o ar está repleto de belos sons e onde a fama lhe abre os braços. No entanto, apesar do sucesso alcançado, ele sente falta do que deixou para trás...

Sobre o Autor:
David Litchfield é um aclamado autor e ilustrador de livros infantojuvenis. O seu estilo destaca-se pela envolvência dos cenários e o uso de diversas técnicas tradicionais combinadas​ ​com ferramentas digitais. Este seu primeiro livro foi publicado em 12 línguas, com grande​ a​plauso da crítica à escala global, e venceu o Prémio Waterstones para Melhor Livro Ilustrado.

sábado, 28 de outubro de 2017

Novidade: A Livraria dos Destinos, de Veronica Henry

"Uma carta de amor dedicada aos livros e às livrarias"
USA Today

Sinopse:
No mundo da Nightingale Books serve-se romance e a cura para um coração partido. Este é o sítio onde as melhores histórias não se encontram apenas nas páginas dos livros, mas nas vidas dos que por lá passam.

Depois da morte do pai, Emilia regressa a Peasebrook para gerir a velha livraria da família, Nightingale Books — o sonho de qualquer bibliófilo e um refúgio para os moradores desta pequena vila. Mas agora que está responsável pelo seu futuro, Emilia terá de afastar potenciais compradores, ao mesmo tempo que tenta cumprir o último desejo do pai.

Uma livraria extraordinária com pessoas extraordinárias…

Desde a mulher que a visita há anos, ao recém-divorciado que tenta reaproximar-se do filho, e ainda a tímida chef de cozinha que se apaixona na secção de culinária… há algo de magnético neste sítio. Até Emilia sente as forças da livraria a conspirarem por si quando se cruza com um homem a quem não consegue ficar indiferente. Com todos a depender dela, conseguirá Emilia encontrar um destino feliz para a livraria e os seus leitores?

No mundo da Nightingale Books serve-se romance e a cura para um coração partido. Este é o sítio onde as melhores histórias não se encontram apenas nas páginas dos livros, mas nas vidas dos que por lá passam.

Sobre a autora:
Veronica Henry é filha de militares, o que a levou a mudar várias vezes de cidade e de escola. Formou- -se em Estudos Clássicos, na Universidade de Bristol, e complementou a sua formação com um curso de secretariado bilingue. Após a conclusão, trabalhou como assistente de produção na radionovela britânica The Archers, que lhe deu bases para trabalhar como guionista numa estação de televisão.
Em 2000, publicou o seu primeiro livro e desde então a sua obra cresceu, tendo mais de 15 livros no currículo e muitos artigos publicados na imprensa.

Ficha Técnica:
Edição Topseller
17,69€
320páginas

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Novidade: Sonetos, de Gregório Duvivier

Imagine que Camões, Petrarca e Shakespeare eram uma só pessoa e escreviam um livro juntos. Essa pessoa nunca leria este livro. Abandonemos esta ideia.

Agora imagine que Camões tinha um filho com Bocage. Essa criança enfrentaria sérios problemas, desde logo por ter sigo gerada num ventre masculino. Abandonemos igualmente esta ideia.

Gregorio Duvivier prova, neste livro, que não é apenas autor de sketches estúpidos para a Porta dos Fundos — também sabe escrever sonetos perfeitamente imbecis.

Dêem uma espreitadela... aqui.


quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Novidade: Noite Cega, de Ragnar Jónasson

Olhem, olhem... um daqueles que eu gosto: a literatura escandinava no seu melhor! E este junta o melhor de dois mundos: ser nórdico e o tradutor dos livros de Agatha Christie para islandês.

"Uma prosa evocativa e uma construção magistral"
The Guardian


Sinopse:
Na pequena aldeia islandesa de Siglufjördur, o jovem polícia Ari Thór Arason procura refúgio do seu passado e dos horrores que nele se escondem. Apesar do isolamento da aldeia, acessível apenas por um pequeno túnel nas montanhas, mantém uma relação difícil com os aldeões, que o acham estranho. Exausto, e com a sua vida privada a intrometer-se no trabalho, Ari Thór mete baixa.

Com Ari Thór ausente, o polícia que o substitui, e seu único colega, é assassinado à queima-roupa, a meio da noite, numa casa deserta. Cabe agora a Ari Thór deslindar um caso que rapidamente se torna muito mais complicado do que parecia: a comunidade fecha-se, a política local dificulta tudo, e o novo presidente da Câmara envolve-se no caso muito além da sua função.

A investigação vai levar Ari Thór até bem longe da aldeia. O que terá a ala psiquiátrica de um hospital em Reiquiavique a ver com este crime? O que será que todos em Siglufjördur estão a tentar esconder? E conseguirá Ari Thór aguentar uma investigação tão exigente?

Sobre o autor:
Ragnar Jónasson nasceu na Islândia e é um autor bestseller internacional publicado em 18 países, com amplo sucesso junto da crítica. Trabalhou em televisão e em rádio, inclusive como jornalista da Radiotelevisão Nacional da Islândia. Atualmente é advogado e professor na Faculdade de Direito da Universidade de Reiquiavique.

Autor em ascensão na literatura policial internacional, Jónasson traduziu 14 livros de Agatha Christie para islandês e viu já vários dos seus contos serem publicados em revistas literárias alemãs, inglesas e islandesas. Noite Cega é o segundo livro do autor na Topseller, seguindo-se a Neve Cega, e continua uma série de extraordinário sucesso em todo o mundo, agarrando os leitores portugueses da primeira à última página.

Ragnar Jónasson é ainda vencedor de vários prémios:
Best Crime Fiction (2015 – The Independent);
Best Crime and Thrillers (2016 – The Sunday Express);
Best New Crime and Thrillers (2016 – The Daily Express).

Ficha Técnica:
Edição Topseller
17,69€
272 páginas

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Para os mais novos - Simãozinho, o Leãozinho

O Henrique gosta de ser o proprietário de muitos livros. Com 4 anos e meio, já mostra uma enorme tendência para os livros. Adora ir à FNAC e sentar-se no chão a folhear. 
E foi precisamente na FNAC que vi, pela primeira vez, há alguns dias, uns livros do Simãozinho. Chamaram-me a atenção pelas capas engraçadas, e pensei que seria uma excelente ideia para uma prenda de Natal. Só depois reparei que são 100% portugueses, o que ainda me agradou mais. Um livro feito à medida dos nossos pequenos leitores.

Introdução:
O Simão, o Leãozinho da Vila Meiga, está de regresso com novas peripécias. 
Tal como tu, o Simão está a crescer, gosta de divertir-se e de viver grandes aventuras. 
Afinal de contas, não há nada melhor do que ser criança! 

Maria Inês de Almeida (texto) e Aurélie de Sousa (ilustração) deram vida a esta nova coleção em outubro passado com três títulos: 
É Tão Bom Ter Amigos, Já Não Tenho medo do Escuro e Parabéns, Simão. 
Estes livros são ideais para ler em voz alta às crianças e para os mais novos que já iniciaram a leitura autónoma. Inclui uma secção de conselhos para pais e educadores escrita pelo conhecido pediatra Hugo Rodrigues.



segunda-feira, 23 de outubro de 2017

O Bibliotecário de Paris, de Mark Prior

Em parceria com o Clube do Autor, tive a oportunidade de ler O Bibliotecário de Paris, da autoria do autor britânico Mark Prior.

Prior dá continuidade à série "Hugo Marston", iniciada com O Livreiro (2013). Em O Bibliotecário de Paris, o chefe de segurança da embaixada americana, Hugo Marston, encontra o diretor da Biblioteca Americana em Paris, um velho amigo, morto, trancado numa sala secreta que usava para escrever.

Inicialmente, tudo apontava para causas naturais - afinal de contas, Paul Rogers tinha problemas cardíacos. Mas Marston acha que algo mais está por trás desta súbita morte.

A investigação, em colaboração com a polícia parisiense, leva-o a mergulhar na História e cruza-se com uma antiga atriz, famosa pela sua beleza, mas, ao mesmo tempo, suspeita de ser uma espia durante a II.ª Guerra Mundial.

O que têm estes dois eventos, separados por décadas, em comum?

Para mim, que sou fã de policiais nórdicos (mais densos e sombrios), este livro foi o ideal para uma tarde de domingo. À primeira vista, o tamanho do livro pode assustar: são mais de 300 páginas, mas tem um ritmo rápido, lê-se muito bem, tem um cheirinho de História e para quem não está habituado a este género - o policial - tem a dose certa de mistério e de intriga para prender qualquer leitor. E o final? O fim é surpreendente e o vilão... bem... o vilão... não vou adiantar mais nadinha!

Sobre o autor:
Mark Pryor nasceu em 1967, em Inglaterra. Pryor foi jornalista durante alguns anos, e, já nos Estados Unidos, frequentou o curso de jornalismo na universidade da Carolina do Norte, licenciando-se depois em Direito pela universidade Duke. O Livreiro é o seu primeiro romance, mas Pryor escreve regularmente sobre o mundo do crime e os casos reais que enfrenta no seu dia-a-dia.

Ficha Técnica:
328 páginas
Editora: Clube do Autor
Outubro de 2017
15,75€ (no site Wook, já com 10% de desconto)


domingo, 22 de outubro de 2017

Novidade - Entrevistas da Paris Review

Vou aqui deixar uma sugestão que foge, radicalmente, ao meu habitual registo - um livro com entrevistas. 

"A histórica revista literária Paris Review fez as melhores entrevistas aos melhores escritores, e influenciou para sempre o fascínio pela arte da escrita.

Depois de duas colectâneas de sucesso, o terceiro volume apresenta uma nova selecção de conversas inesquecíveis para os amantes de literatura: do recente enigma Elena Ferrante à irreverência histórica de Henry Miller, do humor certeiro de Julian Barnes e de Dorothy Parker à inteligência sóbria de George Steiner e de Susan Sontag, passando pela audácia de Karl Ove Knausgård e de Lydia Davis, e pelo desconcerto de Emmanuel Carrère e W.H. Auden. Um livro que dá voz a romancistas, contistas, poetas e ensaístas, encontrando-se entre eles dois prémios Nobel da Literatura — John Steinbeck (1962) e Alice Munro (2013)."

A Tinta-da-China permite, no seu dite, dar uma "espreitadela" a algumas páginas (clicar aqui) e foi ao ler um pouco da entrevista a a Alice Munro que decidi deixar esta ideia de leitura. 

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Lançamentos - para os próximos dias

Estou constantemente a receber informações de livros que estão prestes a serem lançados. Deixo aqui algumas sugestões, essencialmente destinadas a pais, educadores e formadores. Julgo que serem três excelentes opções.





quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Sangue Vermelho em Campo de Neve - "Inverno", de Mons Kallentoft

Há muito que ando que esta série de livros debaixo de olho, mas com tantas coisas a acontecerem, com tantos livros a serem lançados, tantas séries a serem vistas (além de um pequeno de 4 anos...) - o tempo não dá para tudo! Infelizmente, acrescento!

Finalmente, dei o primeiro passo, numa Feirinha do Livro que estava "estacionada" na Praia das Maçãs, este Verão, e comprei Sangue Vermelho em Campo de Neve.

Já o li, entretanto. E posso, com toda a autoridade, dizer que este é um livro que não pode passar ao lado dos apreciadores de: literatura nórdica e thrillers/policiais.
Além dos crimes que aqui são cometidos, temos todo o ambiente sueco, num Inverno rigoroso. As descrições dos dias fazem-nos tremer de frio, mesmo estando nós no pico do Verão.

Um dos pormenores que achei bastante curioso - e não o vejo em outros livros do mesmo género é a introdução de monólogos das vítimas mortais. Os mortos têm uma voz que não é ouvida por ninguém. Conhecemos os seus anseios, as suas lutas... - num "arrojo" literário.

A protagonista, Malin Fors, inspetora, é super-interessante, empenhada e inteligente. Estou curiosa para ver como dá desenvolvimento, nos livros seguintes, a um arco que deixou aberto: em que circunstâncias e quem violou Maria Murvall?

Sinopse:
No Inverno mais frio de que há memória na Suécia, um homem, nu e obeso é encontrado pendurado num carvalho solitário no meio das ventosas planícies de Ostergotland. O cadáver apresenta sinais evidentes de violência mas, em volta, a jovem e ambiciosa inspectora Malin Fors só pode constatar como a neve cobriu e ocultou para sempre as eventuais pistas deixadas pelo assassino. A única certeza é que o macabro achado vai abalar a vida tranquila da pequena comunidade de província e trazer de volta terríveis segredos há muito escondidos.

Sobre o autor:
Kallentoft nasceu numa pequena cidade de província numa família da classe operária onde os livros eram um fenómeno raro. Passou a infância e os primeiros anos da adolescência a jogar futebol e hóquei no gelo, até que uma grave lesão desportiva o manteve durante um longo tempo imobilizado. Foi então que, aos 14 anos, descobriu a literatura: Kafka, Hemingway e George Orwell abriram-lhe as portas de mundo completamente novo.
O caminho para o seu percurso de escritor passou pela publicidade, o jornalismo e os bairros mais sombrios de Madrid.
O seu livro de estreia, Pesetas , recebeu o prémio da Associação Sueca de Escritores para um primeiro livro. Depois de dois outros romances e de um livro sobre viagens e comida, Mons Kallentoft escolheu dar o seu toque pessoal ao clássico romance policial sueco. O sucesso foi imediato.
O primeiro livro da série protagonizada por Malin Fros recebeu os elogios unânimes e conquistou os primeiros lugares das tabelas de vendas.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Novidades: 101 Livros para Leres Antes de Cresceres e 101 Filmes para Veres​ Antes de Cresceres

E finalmente, livros para os mais jovens!!! (rufos de tambores)

Já leste o Principezinho? O Diário de Anne Frank? O Dário de um Banana? A Teia de Carlota?

​ Já viste o Sozinho em Casa? Os Goonies? O Rei Leão? O E.T? Ou A Bela e o Monstro? Queres​ saber quais os melhores livros e os melhores filmes? Então estes dois guias são ideais para ti!​

Dos mais recentes aos mais clássicos, em​ ​101 Livros para Leres e​ 101 Filmes para Veres​ Antes de Cresceres vais encontrar os melhores livros e filmes para passares muitas horas de​ diversão. Podes ainda apontar a data em que viste ou leste, a tua classificação e opinião.

​​Os livros mais incríveis para descobrires!​ ​Gostas de ler, mas nunca sabes o que escolher a seguir? Este livro vai ajudar-te! Dos mais recentes aos clássicos intemporais, aqui vais encontrar os melhores livros, organizados por tema e por faixa etária, para que tenhas sempre algo para ler, em qualquer idade! Aponta a data em que leste e a tua classificação, e anota a tua opinião, para mais tarde recordares!​ Agora: Sofá, luz e…​ Prepara-te para conhecer novos mundos!



















​Os melhores filmes de todos os tempos para veres com a tua família e amigos!​ «Para o infinito e mais além!»​ Os filmes fazem-te pensar e ensinam-te coisas novas, mas também te levam a viajar por mundos fantásticos durante horas, estimulando a imaginação.​ Dos mais recentes aos clássicos intemporais, nas páginas deste livro vais encontrar os melhores filmes para sessões de cinema com a família e os amigos! Aponta a data em que viste, a tua classificação e anota a tua opinião, para mais tarde recordares!​ Agora: Luzes, televisor, pipocas e…​ Ação (e muita diversão)!​


sábado, 14 de outubro de 2017

Novidade: A Queda de Um Homem, de Luís Osório

Este romance foi apresentado no Salão Nobre da Reitoria da Universidade de Lisboa, no dia 28 de setembro, por Guilherme D`Oliveira Martins, António Cunha Vaz e António Carlos Cortez.
Durante este mês de outubro, o romance irá ser apresentado em outros pontos do País como Setúbal, Penafiel, Braga, Porto, Leiria e Coimbra, entre outros. 


Sobre o livro:
Um homem e uma mulher embarcam num comboio e sabem que apenas um poderá sobreviver. Para um e para o outro restarão duas alternativas: matar ou ser morto.
Uma história de sobrevivência que é também a história de um tempo de sombras, decadência e amoralidade. A viagem será imprevisível e nela encontraremos almas perdidas, sonhos e esperança, um vendedor de botões de punho que se revelará decisivo, e um comboio que é muito mais do que aparenta.

«Tinha rituais, planos de fuga, pequenas perversidades. Planeava mentiras, fazia os pais acreditar no que queriam acreditar, assustava-os com a tristeza, pedia-lhes comprimidos e uma morte rápida que não desejava. Aprendera que a incredulidade repelia, impossível de esquecer a cara dos pais depois de lhes ter confiado que escrevia todos os dias romances dentro da cabeça. Fora a primeira e a última vez que lhes confessara alguma coisa, não repetiu o erro. Tinha rituais que a defendiam tanto dos vivos como dos seus personagens. Não podia desiludir uns com a esperança nem iludir os outros com falsas promessas; à família oferecia pequenos motivos para não desistirem dela e aos que inventava vidas sempre incompletas, um excelente pretexto para a eles voltar. Vivia entre dois mundos. E não suportava a ideia de ficar presa a qualquer deles.»


Sobre o autor:
A Queda de Um Homem é o primeiro romance de Luís Osório. Aos 45 anos, com uma vida profissional entre o jornalista, a consultoria e múltiplos projectos criativos, decidiu levar a sério a forte ambição de ser escritor. Este é o seu sexto livro e sucede a Amor, uma antologia de pensamentos editada com grande sucesso em 2016.

Ficha técnica:
ISBN: 978-972-47-5157-3
216 páginas
PVP C/ IVA 14,90€


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Novidade Outubro: Corrupção, de Don Winslow

«Fascinante, um triunfo. Pensem n’O Padrinho, só que com polícias. Muito bom.»
Stephen King

Sobre o livro: 
Tudo o que Denny Malone quer é ser um bom polícia. Malone e a sua equipa são uma unidade especial de elite a quem foi dada carta branca para combater gangues, drogas e armas. Durante dezoito anos, Malone esteve na linha da frente a fazer tudo o que fosse necessário para servir e proteger a comunidade numa cidade construída com base na ambição e corrupção, onde ninguém é honesto – incluindo o próprio Malone.

O que só alguns sabem é que Denny Malone e os seus parceiros roubaram milhões de dólares em droga e dinheiro. Agora, apanhado numa armadilha e a ser pressionado por agentes federais, tem de lidar com a ténue linha que separa a traição aos irmãos e colegas, o Serviço, a família e a mulher que ama, tentando sobreviver de corpo e alma, enquanto a cidade se encontra à beira de um conflito racial que pode destruí-los a todos.

Sobre o autor - na 1.ª pessoa:
Às vezes penso que me andei a preparar para escrever este livro a vida inteira. Criado em Rhode Island, poupava dinheiro em miúdo para apanhar um comboio para a cidade de Nova Iorque, onde deambulava pela Broadway, ia ao cinema, comia nas mercearias e nos carrinhos de cachorros quentes. Mais tarde, mudei-me para a cidade e vivi nas mesmas ruas de Upper West Side. E fui criado a ver filmes policiais e as suas histórias. Desde que comecei a escrever que queria escrever um grande livro sobre a polícia de Nova Iorque. É este. Investiguei para ele durante muito tempo. Conheci – e conheço – polícias, a maioria deles honestos, alguns corruptos. Até eu subornei polícias quando era diretor de cinema e investigador particular.
Trabalhei em casos a favor e contra departamentos de polícia.
Essa investigação deu origem a este romance.

Ficha Técnica:
PVP: 17,70 €
704 páginas
ISBN: 978-84-9139-136-4 

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Novidade: Conjura, de Cristina Vale

Ao exaustivo trabalho de pesquisa e documentação, Cristina Vale adicionou toda a sua mestria de contadora de histórias. Conjura é o resultado de vários anos de investigação e de escrita que convidam o leitor a recuar vários séculos na nossa História e a entrar na corte de D. João II.

Revelando a cada capítulo uma profunda preocupação com os factos históricos e com o rigor da narrativa, o primeiro romance de Cristina Vale distingue-se sobretudo pela riqueza de pormenores e ambientes sabiamente recriados.

Ao mesmo tempo que interferem nas decisões políticas de D. João II, privam de perto com D. Leonor de Lencastre ou acompanham as conspirações reais, os leitores passeiam pelas ruas da Lisboa de então, sentam-se à mesa com os personagens do livro, sentem os cheiros, ouvem os sons.

Conjura vai além da História e faz o leitor viajar no tempo e no espaço. É um romance que narra uma época gloriosa para Portugal mas também por isso dominada pela ambição e pelo medo, onde a conjura está sempre à espreita.

Sinopse:
A viagem da rainha D. Leonor de Lencastre entre Lisboa e a Aldeia Galega, concelho de Alenquer, no outono da sua vida, dura dois dias. Mas o percurso que acompanha a trajetória da vida da mulher do rei D. João II dura 60 anos. Recorrendo ao desfiar de memórias da rainha e de outras personagens que se movimentavam na corte portuguesa durante o século XV, assistimos a episódios trágicos, agravos, paixões, ódios, vinganças, artimanhas de bastidores. É toda a política real, centralizadora de poder a nível interno, e de expansão marítima a nível internacional, que se mostra de forma crua.

A forte e intrépida personalidade do rei desencadeia emoções contraditórias e maquinações perigosas, como a tentativa do seu envenenamento, que leva a "Casa Beja" (a própria rainha D. Leonor, e o irmão Manuel, futuro rei, sua mãe D. Beatriz e D. Isabel, viúva do duque de Bragança, executado pelo rei) a conspirar contra D. João II e a conceber planos maquiavélicos para o eliminar.

As personalidades que gravitam à volta do rei vangloriam-se, arrependem-se ou questionam a sua intervenção na morte do rei, mas a verdade dos acontecimentos é uma chave bem guardada. Os segredos da conjura são caminhos insuspeitos de um reinado marcada pela glória e pela ignomínia. E o mistério persiste: quem matou o Príncipe Perfeito?

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Novidade: As Coisas Boas Levam Tempo. Desacelerar Para Viver Melhor, de Raquel Tavares

Já nas livrarias nacionais!

Sobre o livro:
Há quanto tempo sente que não tem tempo? O tempo e a forma como o vivemos é uma questão abordada por diferentes pensadores desde há muito na história da Humanidade, mas revela-se hoje como uma das questões mais atuais, ao ponto de gerar tendências culturais que contrariam a ditadura da rapidez, da quantidade e da superficialidade. 
Uma dessas tendências é o Movimento Slow, um movimento de equilíbrio, onde a valorização da serenidade, do saborear de cada momento, da contemplação, das boas conversas, da bondade consigo próprio, com os outros e com o planeta, possa ser uma das formas privilegiadas de enriquecer a vida.

(Hoje são comuns os termos Slow Food, Slow Work, , Slow Travel, Slow School ou Slow Aging, entre outros. O que une estes conceitos é o mesmo princípio: uma cultura de vida que defende que viver em modo mais lento pode ser um instrumento de desenvolvimento humano e do potencial de cada um)

Sobre a autora:
Raquel Tavares nasceu em 1969. Cresceu entre a cidade e o campo, entre grandes e pequenas cidades. É licenciada em Antropologia Social e tem uma pós-graduação em Psicologia Educacional. Trabalhou na área da intervenção comunitária em contextos carenciados e na educação de adultos, sem perder de vista a pedagogia e a formação dos mais pequenos.
O associativismo, o desenvolvimento local, a solidariedade e o voluntariado fazem parte do seu quotidiano. Ao longo da sua vida desenvolveu uma necessidade imperiosa de movimento feito de tranquilidade. Sempre precisou de calma para refletir e digerir as informações e os estímulos externos e assim, de forma natural, nasceu e cresceu o seu interesse pelos modos de vida mais brandos, que surgem como contracorrente ao mundo acelerado e descartável da atualidade.
Em 2009, a partir da leitura de um artigo de revista, surgiu-lhe a ideia de formar uma associação com base nos princípios de uma tendência internacional, mas ainda muito pouco falada. Com um grupo de amigos, deu corpo a essa ideia e é assim que surge o Movimento Slow Portugal, cujos princípios servem de base a este seu primeiro livro.
Vive em Arruda dos Vinhos, um vale rural encantado às portas de Lisboa.

Ficha Técnica:
320 Páginas
PVP C/ IVA 15,10€

domingo, 8 de outubro de 2017

Novidade: Olifaque, do cientista João Magueijo,


Apenas disponível a partir de 11 de outubro

Sobre o livro:
É o livro brande-niú do célebre cientista português João Magueijo. Olifaque arriva às livrarias nacionais no próximo dia 11 de outubro e regala os leitores com uma visão muito particular dos emigrantes portugueses, gente ander-apreciada, segundo o autor.

Em Terôno conhecemos várias famílias portugueses que partiram de Portugal para fazer bem e ganhar móni. Falamos do Perna de Pau, do Palha d’ Aço, do Cheira a Mijo e da Alzira, da Lígia e da Violeta, do Quim das Mulas, do Jeico, do Ildo, do Páscoa Feliz e do Ti Tóino, entre outros, cumôde de quem conhecemos histórias de faca e alguidar, com quem assistimos aos jogos da bola, vamos às farmas, jogamos matraquilhos, nos metemos em sarilhos e fugimos dos copes.

Escrito num emigrês muito próprio, que, conforme a nota prévia do livro, se recusa a ser consistente, Olifaque deverá ainda assim ser inteligível para qualquer português conhecedor de inglês básico.

É numa comunidade de emigrantes portugueses no Canadá, onde o autor esteve emigrado, que tudo se passa. João Magueijo parte desse grupo de pessoas para enaltecer a perfomância dos emigrantes além-fronteiras enquanto releva ficar chocado com as críticas que lhes são dirigidas.
Mesmo sendo um retrato humorístico desses estereótipos, Olifaque deixa no ar perguntas importantes. O que será da segunda geração de emigrantes? Como lidará Portugal com a saída do país de tantos jovens qualificados? Quem são os verdadeiros embaixadores de Portugal no mundo?

Para João Magueijo, Portugal tem uma relação esquizofrénica e arrogante com a diáspora e por isso este livro é na verdade uma homenagem às pessoas que tiveram a coragem de abraçar o mundo largo, sair da aldeia e florescer.

E no entanto fico com medo da geração nova que aí vem, aquela do meu Jequinzinho João, que será dela neste mundo escravo de germanos e chineses, em que está tudo a ficar igual, todos a quererem ser maricanos?

Há que pensar nisto, sugere o autor, e se for com humor tanto melhor. Olifaque!

Ficha Técnica:
280 Págs. l PVP: 15€
Disponível a partir de 11 de outubro

sábado, 7 de outubro de 2017

Novidade Outubro: A Boa Filha, de Karin Slaughter

Este é um daqueles livros que vai estar - com toda a certeza - na minha wishlist de Natal. Karin Slaughter é daquelas autoras que me faz pegar num livro e lê-lo num piscar de olhos.

Sobre o livro:

Duas meninas são obrigadas a entrar no bosque com uma pistola apontada. Uma foge para salvar a vida. A outra fica para trás.
Há vinte e oito anos, um crime horrível sacudiu a feliz vida familiar de Charlotte e Samantha Quinn. A sua mãe foi morta. O seu pai, um conhecido advogado de defesa de Pikeville, ficou prostrado de dor. A família desfez-se irremediavelmente, consumida pelos segredos daquela noite pavorosa.
Passados vinte e oito anos, Charlie tornou-se advogada, seguindo os passos do pai. É a filha ideal. Mas quando a violência volta a aumentar em Pikeville e uma grande tragédia assola a localidade, Charlie vê-se imersa num pesadelo. Não só é a primeira pessoa a chegar à cena do crime, mas também o caso desperta as recordações que tentou manter à margem durante quase três décadas. Porque a surpreendente verdade sobre o acontecimento que destruiu a sua família não pode permanecer oculta para sempre.

Sobre a autora:
Karin Slaughter é uma das escritoras de suspense e ficção policial mais afamadas e galardoadas do panorama literário atual. Mundialmente aclamada pela sua potência narrativa e consagrada pelas suas repetidas aparições nas listas de best sellers do The New York Times.
Dos seus quinze romances, traduzidos para 32 línguas, venderam-se mais de 30 milhões de exemplares em todo o mundo. Convertida em fenómeno literário internacional, alcançou o número um da lista dos livros mais vendidos no Reino Unido, Irlanda, Alemanha e Países Baixos, onde é a única autora que conseguiu ter oito títulos simultaneamente na lista de best sellers, incluindo o número um.

Ficha técnica:
PVP: 17,70 €
704 páginas
ISBN: 978-84-9139-136-4

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Os Nove Magníficos, de Helena Sacadura Cabral

Depois de As Nove Magníficas - cuja nova edição chegará às livrarias nacionais no dia 11 de outubro - junta-se Os Nove Magníficos, um livro que reúne um olhar único sobre governantes excecionais da História de Portugal. 

Eis os monarcas eleitos por Helena Sacadura Cabral.
D.Afonso Henriques
D.Dinis
D.João I
D.João II
D.Manuel I
D.João IV
D.José I
D.João VI
D.Carlos


Ficha Técnica:
Os Nove Magníficos
304 páginas
PVP: 17,50€

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Novidade: O Indesejado, de Nuno Galopim

Já nas livrarias!!

Sobre o livro:
Um sacerdote português a viver em Roma recebe uma carta a pedir o seu regresso urgente, mas discreto, a Portugal. À chegada a Lisboa, o padre Bartolomeu é confrontado com uma informação espantosa – a de que D. Afonso VI, o rei destituído que morrera após um longo e penoso cativeiro, afinal, talvez tenha deixado descendência. Esta nova informação ameaça seriamente a estabilidade do reino e coloca em causa não só o processo de destituição de Afonso como também a legitimidade do poder de D. Pedro.


Depois da sua primeira ficção, sobre a vida de D. Manuel II, Os Últimos Dias do Rei, Nuno Galopim traz-nos desta vez um empolgante romance, passado em finais do século XVII, em que o controverso D. Afonso VI, O Indesejado é a figura central.

Sobre o autor:
Nuno Galopim, nascido em 1967 começou por traçar um futuro nas ciências, mas o jornalismo, a rádio e, sobretudo, a música e o cinema acabaram por falar mais alto. Com 28 anos de carreira nos media, escreve hoje no Expresso e Blitz e é autor dos blogues Sound+Vision e Máquina de Escrever. Tem também trabalho feito na música (do álbum Humanos à série «O Melhor do Pop-Rock Português»), no cinema (como ator, produtor, consultor, programador) e televisão, devendo estrear este ano um documentário da sua autoria. Em 2016 iniciou um trabalho com a RTP como consultor para o Festival da Canção e Festival da Eurovisão. No passado trabalhou em jornais como O Independente e Diário de Notícias e em revistas como a Billboard e Time Out. Teve programas nas estações de rádio Antena 1, Antena 2, Antena 3, XFM, TSF e Radar. 
Nos livros estreou-se com Vida e Morte dos Dinossáurios (1992), assinado em co-autoria com o pai, o Professor Galopim de Carvalho. É ainda autor dos livros Retrovisor: Uma Biografia Musical de Sérgio Godinho (2005),Os Marcianos Somos Nós (2015) e The Gift – 20 (2015). Os Últimos Dias do Rei, dedicado à figura de D. Manuel II, foi a sua primeira obra de ficção, publicada em 2016 pela Esfera dos Livros. O Indesejado, que tem D. Afonso VI como figura central, é o seu segundo romance.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Hoje nas livrarias

Chega hoje às livrarias o último livro de Pierre Lemaitre, protagonizado pelo comandante Camille Verhoeven.

O regresso do mestre do thriller que também venceu o Goncourt, Pierre Lemaitre

«Lemaitre eleva o género negro a um nível que raramente se encontra: o lugar onde mora a literatura.» Le Figaro Magazine

«Um excelente escritor de livros de suspense.» Stephen King

«Uma trama que proporciona o melhor de Lemaitre: qualidade literária, ritmo, controlo da narrativa e uma personagem distinta, por vezes enternecedora e sempre tocante.» El País

«Lemaitre é um autor imprescindível no panorama literário atual. […] A cicatriz do mal é um romance de ação vibrante, visualmente perfeito.» El Periódico de Catalunya

«Lemaitre sabe renovar-se constantemente, surpreender a cada romance, e isso torna a verificar-se nesta obra, construída graças a uma maquinaria perfeita, com desenvolvimentos imprevisíveis. Decididamente, estamos perante um verdadeiro escritor.» L’Humanité

«Fascínio e medo. Uma arte maior.» Avantages

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Portugal - Uma História de Conquista, de John dos Passos - amanhã, nas livrarias

Portugal - Uma História de Conquista 
Novo livro de John dos Passos dia 4 outubro nas livrarias

No início do século XV, as caravelas portuguesas começaram a explorar a costa africana e o Atlântico. Um século depois, os galeões nacionais atravessavam o oceano para o Brasil e dobravam o Cabo da Boa Esperança para alcançar o Oriente. Durante um século procuraram, sem perder a esperança, Preste João, considerando que seria um importante aliado na luta contra os muçulmanos e os turcos.

Portugal – uma História de Conquista não relata apenas estes e outros factos mais conhecidos. Nesta obra, John dos Passos descreve os maiores acontecimentos da nossa História, mas também os eventos aparentemente insignificantes que tornaram Portugal numa das maiores potências europeias no século XV.

Neste livro rico em pormenores, o autor explora a complexidade das intrigas nas cortes e esboça retratos notáveis dos membros da família real. Tendo por base uma investigação histórica, Portugal – uma história de conquista é um relato extraordinário sobre o esforço de um grupo de pessoas para alargar horizontes.

Sobre o autor:
John Roderigo Dos Passos (Chicago, 14 de janeiro de 1896 — 28 de setembro de 1970) foi um romancista e pintor norte-americano, descendente de imigrantes portugueses originários da Madeira

«Dos Passos foi um dos maiores escritores do século XX.» National Review

domingo, 1 de outubro de 2017

Festival Bang! - dia 28, no Pavilhão Carlos Lopes

A coleção Bang! das Edições Saída de Emergência é uma das coleções de literatura fantástica mais reconhecidas de Portugal e vai passar a ter o seu próprio evento anual, o Festival Bang!.

Palestras, sessões de autógrafos, exposição sobre Edgar Allan Poe, demonstrações de cosplay e momentos musicais são algumas das atividades que pode encontrar, para além da presença da convidada de honra desta primeira edição, Anne Bishop, que estará em Portugal para conversar com os fãs sobre a sua obra literária.


sábado, 30 de setembro de 2017

Novidade: Leonor de Aquitânia. O Trono do Outono, de Elizabeth Chadwick

O Trono do Outono é o terceiro volume de uma série centrada na figura história de Leonor de Aquitânia, uma das mais ricas e poderosas mulheres da Idade Média e mãe do Rei Ricardo Coração de Leão.

Sinopse:
Estamos em Inglaterra, no ano 1176, e Leonor de Aquitânia foi aprisionada pelo marido, o Rei Henrique II, por recusar submeter-se às suas ordens. Desesperada com os esforços do rei por mantê-la longe dos filhos, Leonor não tem outro remédio senão aguardar.

Com a morte do rei, tudo muda. Leonor torna-se rainha-mãe e ganha finalmente liberdade para tentar reparar todos os danos que Henrique causou. Os seus filhos veem-se envolvidos numa perigosa rivalidade acicatada pelo pai, enquanto as suas filhas foram afastadas das posições de poder que lhes cabiam.

Leonor vai precisar de toda a sua coragem e força para os poder proteger de si mesmos. Para tal, terá de viajar continuamente por uma Europa medieval em guerra, e até mesmo cruzar os Alpes durante o inverno. Conseguirá Leonor manter a paz entre os filhos? E estará ela à altura de todas as provas que o destino lhe reserva?

Sobre a autora:
Autora bestseller do New York Times, Elizabeth Chadwick conta com mais de 20 romances históricos publicados em diversas línguas. Os seus livros foram contemplados com inúmeros prémios, entre os quais o de Melhor Romance Histórico, pela Romantic Novelists Association, e o Betty Trask Award.
Apaixonada pela Idade Média e pelo dia a dia desta época, Elizabeth é hoje uma das mais importantes romancistas históricas da Grã-Bretanha e foi considerada pela Historical Novel Society como «a melhor escritora de ficção medieval» da atualidade.

Ficha Técnica:
Leonor de Aquitânia. O Trono do Outono | 464 pp. | 21,98€

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Novidade: A Separação, de Dinah Jeffries

Depois da publicação de A Mulher do Plantador de Chá, Dinah Jefferies, um dos nomes mais consagrados da literatura de época, apresenta-nos uma história apaixonante de uma família destruída por mentiras, em que o amor de uma mãe consegue suplantar a distância e o tempo.

Sinopse:
Malásia, 1955. Lydia Cartwright regressa a casa, onde apenas o vazio a espera. Os criados, o marido e, o pior de tudo, as filhas foram-se embora sem deixar rasto. Desesperada e sem rumo, ela contacta o patrão do marido à procura de pistas. Eles estão bem, diz-lhe. Estão noutra região do país. Mas algo não bate certo. Porque é que não esperaram por ela? Porque é que não lhe deixaram uma carta a explicar a mudança?

Seguindo a sua única pista, Lydia embarca numa perigosa viagem por um país em guerra. E é então que, enquanto atravessa a selva minada de grupos de guerrilheiros, se vê forçada a pedir ajuda a Jack Harding, o homem que amou no passado e que abandonou.

Com o coração de mãe apertado, Lydia sabe que terá de sacrificar tudo para reencontrar as filhas. Mas será que está preparada para a terrível traição que a aguarda e para as consequências devastadoras?

Sobre a autora:
Dinah Jefferies nasceu na Malásia e mudou-se para Inglaterra com 9 anos. Estudou na Birmingham School of Art e, mais tarde, na Ulster University, onde se formou em Literatura Inglesa.
Autora bestseller do Sunday Times, colabora com alguns jornais, entre eles o The Guardian. Depois de ter vivido em Itália e Espanha, regressou a Inglaterra, onde vive com o marido e o seu cão, e passa os dias a escrever e a desfrutar dos tempos livres com os netos.
O seu livro anterior, A Mulher do Plantador de Chá, foi bestseller do Sunday Times e selecionado para o Richard and Judy Bookclub, e está publicado na Topseller.

Ficha Técnica:
A Separação | 416 pp. | 18,79€

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Novidade: Normal, de Warren Ellis

Normal é o terceiro romance de Warren Ellis, e o primeiro publicado em Portugal.

Sinopse:
O que será que se esconde por trás de uma fachada de normalidade?

Há dois tipos de profissionais que se ocupam do futuro: os estrategistas de tendências, que procuram organizar as cidades para sobreviver ao inevitável colapso da sociedade, e os previsores de estratégias, mais preocupados em preparar cada um dos seus clientes. Os primeiros são pagos por caridades e ONG, os segundos por empresas de segurança e corporações.

Estas são profissões de desgaste rápido, impossíveis de manter durante muito tempo. A depressão instala-se e, se o «olhar de abismo» se instala, há apenas um lugar para onde ir. O Cabo Normal.

Quando Adam Dearden, estrategista de tendências, chega ao Cabo Normal, está preparado para relaxar e aceitar o tratamento. Pouco depois, no entanto, um dos outros pacientes desaparece, deixando para trás apenas uma pilha de insetos. Uma investigação arranca, e a vigilância torna-se total. À medida que o mistério se vai desvendando, Adam começará a pôr em causa a forma como vemos o futuro... e também o passado e o agora.

Sobre o autor:
Warren Ellis é um autor de culto dentro do universo mainstream de super-heróis.
Warren Ellis é um escritor, guionista e autor de banda desenhada inglês. Tornou-se conhecido no mundo da banda desenhada, tendo criado séries como Transmetropolitan, Global Frequency ou Red. Mas a sua produção neste universo não se ficou por aí, tendo trabalhado frequentemente com a Marvel.
Além de ter escrito para os X-Men ou para os Thunderbolts, também foi o autor da série Extremis, que serviu de inspiração ao filme Iron Man 3. Bastante conhecido pelo seu comentário sociocultural, tanto online como através dos seus escritos, também tem créditos firmados na televisão e na escrita de videojogos.

Ficha Técnica: 
Normal acaba de chegar às livrarias (Ed. Topseller | 14,99€ | 192 pp.) e as primeiras páginas encontram-se disponíveis para leitura imediata aqui.​

domingo, 24 de setembro de 2017

Novidade: Delírio Total: Hitler e as Drogas no Terceiro Reich, de Norman Ohler

Delírio Total: Hitler e as Drogas no Terceiro Reich, do romancista premiado, argumentista e jornalista alemão Norman Ohler (Editora Vogais | 320 pp | 18,79€), nasce de uma investigação meticulosa que expõe uma perspetiva surpreendente da Segunda Guerra Mundial: a elevada dependência de drogas da Alemanha nazi, nomeadamente de cocaína, opiáceos e, sobretudo, metanfetaminas.

O regime nazi pregava uma ideologia de pureza física, mental e moral. Mas, como Norman Ohler revela nesta envolvente história baseada em fontes até agora inéditas, o Terceiro Reich estava saturado de drogas: cocaína, opiáceos e, sobretudo, metanfetaminas, usadas por toda a gente — de operários fabris a donas de casa — e vitais para a resistência das tropas, explicando, em parte, o rápido avanço e a vitória alemã em 1940. O uso promíscuo de drogas, inclusive ao mais alto nível, também afetou a tomada de decisões, com Hitler e o seu séquito a refugiarem-se em cocktails de estimulantes potencialmente letais, administrados pelo médico Theo Morell, incapazes de reverter o curso da guerra, que se virava contra a Alemanha.

Embora as drogas por si só não possam explicar as tóxicas teorias raciais dos nazis ou os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial, esta descoberta leva-nos a ver os crimes de guerra cometidos contra a humanidade a uma nova luz. Delírio Total é, assim, uma peça crucial para entendermos a História mundial.

A Vogais disponibilizou os primeiros capítulos para leitura aqui

Sobre o autor:
Norman Ohler é um romancista premiado, argumentista e jornalista alemão. Passou cinco anos a pesquisar para Delírio Total em numerosos arquivos na Alemanha e nos Estados Unidos, e falou com testemunhas, historiadores militares e médicos. Publicou três romances, um dos quais o primeiro romance hipertexto do mundo, e coescreveu o argumento do filme de Wim Wenders, Palermo Shooting.