sexta-feira, 26 de maio de 2017

O Rei do Inverno + O Inimigo de Deus

O Rei do Inverno e O Inimigo de Deus, ambos de Bernard Cornwell, são o 1.º e 2.º volumes da trilogia Senhores da Guerra. Li-os numa penada e quase sem intervalos para respirar.

São absolutamente fabulosos.

Quando pensamos na lenda arturiana, pensamos em Camelot, Excalibur, a Távola Redonda, Lancelot, Guinevere, Merlin... cavaleiros valentes, e com um código de honra irrepreensível. Well, Cornwell dá-nos uma outra perspetiva. Vemos um Artur demasiado boa pessoa, um bocadinho permeável a manipulações, uma Guinevere maquiavélica, um Lancelot cobarde e sem um pingo de vergonha...

As cenas de combates são descritas de tal maneira que as "vemos" a decorrer na nossa cabeça... e só queremos ver até onde é que as coisas podem ir.

Estou fascinada. A sério. Há cerca de dois anos li "1356" deste mesmo autor, e apesar de ter gostado do estilo, houve qualquer coisa que não me deixou continuar a explorá-lo. Bernard, espero que me desculpes, e prometo que me vou redimir.

A Feira do Livro está para breve... senhores da Saída de Emergência, vamos lá ter o 3.º volume, não vamos??

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Novidade: Neve Cega, de Ragnar Jónasson

Tradutor dos livros de Agatha Christie para islandês, Ragnar Jónasson é um autor nórdico em ascensão na literatura policial internacional.

Já viu vários contos seus serem publicados em revistas literárias alemãs, inglesas e islandesas.

Neve Cega é o primeiro livro de uma empolgante série que conquistou leitores em todo o mundo e que promete agarrar os leitores portugueses da primeira à última página. Passado em plena crise financeira de 2008, o livro aborda ainda a temática do êxodo rural, e claro que os ingredientes neve e sangue não estão dispensados desta história.

Ragnar Jónasson é ainda vencedor de vários prémios:
Best Crime Fiction (2015 – The Independent);
Best Crime and Thrillers (2016 – The Sunday Express);
Best New Crime and Thrillers (2016 – The Daily Express).

Sobre Neve Cega:​
Siglufjördur é uma pacata terra de pescadores, perdida no norte da Islândia, onde todos se conhecem e nem é preciso trancar as portas. Ari Thór Arason, um jovem polícia em início de carreira, é obrigado a deixar a sua vida em Reiquiavique e a mudar‑se para essa terra inóspita, onde nada parece acontecer.
Inesperadamente, dois eventos que não parecem ter qualquer ligação entre si perturbam a paz da vila. Uma jovem é encontrada semidespida na neve, ferida e inconsciente, e um velho e acarinhado escritor sofre uma queda mortal. Estes acontecimentos abrem caminho a uma investigação liderada por Ari.
As incessantes tempestades de neve, e a brutal avalanche posterior, acabam por isolar a vila e a investigação torna‑se cada vez mais complexa, arrepiante e… pessoal. O polícia acaba traído por aqueles em quem confiou e, sobretudo, angustiado com o perigoso assassino que continua à solta. Quando o passado da vila é finalmente desenterrado, nada fica como antes nas vidas de Ari e dos habitantes de Siglufjördur.

O livro chegará às livrarias dia 15 de maio, pela mão da editora Topseller, 18,79 PVP. As primeiras páginas - num total de 416 - estão disponíveis para leitura imediata: http://www.topseller.pt/media/pdf/9789898800954.pdf

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Obrigado pelo atraso, de Thomas Friedman

“Obrigado pelo atraso” é o nome da obra mais recente de Thomas Friedman, um dos mais aclamados colunistas do New York Times, três vezes vencedor do Prémio Pulitzer, que chega às livrarias portuguesas esta semana.

Nesta obra, um guia otimista para vencer na era da velocidade, o autor mostra, entre outras coisas, que podemos vencer as múltiplas tensões de uma época de acelerações se abrandarmos, se nos atrevermos a atrasar-nos e usarmos o tempo para repensar o trabalho, a política e a comunidade.

Em “Obrigado pelo atraso”, o mais recente e ambicioso livro de Thomas Friedman, o autor expõe estes movimentos tectónicos que estão a redefinir o mundo de hoje, e explica ainda como tirar o máximo proveito deles e como amortecer os piores impactos.

Escrito de uma forma clara e profunda, esta obra de Friedman pretende trazer-nos uma nova abordagem sobre os paradigmas atuais e a forma como vemos o mundo.
O modo como entendemos as notícias, o trabalho que fazemos, a educação de que os nossos filhos precisam, os investimentos que o nosso empregador tem de fazer, e as escolhas morais e geopolíticas em que o nosso país tem de navegar – tudo isto será remodelado pela análise original de Friedman.

“Obrigado pelo atraso” é o terceiro livro de Friedman que chega a Portugal. Os primeiros foram “Quente, plano e cheio”, em 2009, e “O mundo é plano”, em 2010. De realçar também que esta obra chega às livrarias portuguesas já na próxima semana, através da Actual, uma chancela do Grupo Almedina, com o pvp de 22,90€.

Sobre o autor:
Thomas Friedman iniciou a sua carreira no jornal "The New York Times" em 1981 como jornalista da área financeira, especializado em temas relacionados com o petróleo. Três vezes vencedor do Prémio Pulitzer, viajou por todo o mundo como jornalista e especializou-se no conflito do Médio Oriente, no fim da Guerra Fria, na política interna e internacional dos EUA e no impacto da ameaça terrorista mundial. Friedman é autor do livro "From Beirut to Jerusalem" (editado em 1989), que conquistou os Prémios National Book e Overseas Press Club nesse mesmo ano e fez parte na lista dos bestsellers do New York Times durante quase um ano. Também escreveu "O Lexus e a Oliveira" (editado nos EUA em 1999 e em Portugal em 2000), um dos livros mais vendidos na área dos negócios em 1999 e que venceu do Prémio 2000 Overseas Press Club na categoria de melhor livro de política internacional. O seu grande sucesso literário é "O Mundo é Plano" (editado em Portugal pela Actual Editora em 2005), que ganhou o primeiro prémio para melhor livro de negócios atribuído pelo Financial Times e pela Goldman Sachs. Thomas L. Friedman licenciou-se na Universidade de Brandeis com uma especialização em Estudos Mediterrâneos e tem um mestrado em Estudos Modernos do Médio Oriente da Universidade de Oxford. Vive em Bethesda, no Estado norte-americano de Maryland, com a sua mulher, Ann, e as suas duas filhas.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

A Nonô está de volta!

Depois dos três primeiros títulos: Nonô e o peluche, Nonô e o bacio e Nonô chucha no dedo, (Booksmile, fevereiro 2016), que entraram para o Plano Nacional de Leitura, chegam mais dois títulos - Nonô e as birras e Nonô no Infantário.

Lidar com as birras e com a adaptação ao infantário podem trazer algumas dores de cabeça aos pais nos primeiros anos de vida dos filhos, mas com as histórias amorosas e ternurentas da Nonô os mais pequenos, em conjunto com os pais, vão descobrir como o crescimento é uma etapa muito divertida!

Nonô é uma coleção muito simples e divertida. E também é à prova de bebé! As páginas dos livros são plastificadas, difíceis de rasgar e muito fáceis de limpar seja de sopa ou de baba! O formato pequeno e a capa com os cantos arredondados tornam estes três livrinhos perfeitos para serem manuseados por mãos pequeninas. Vão proporcionar excelentes momentos de diversão entre pais e filhos.

Nestes novos títulos a Nonô vai aprender porque que razão não deve fazer birras e também como lidar com a entrada no infantário.


sábado, 6 de maio de 2017

Fora do Mundo, de Michael Finkel 

A extraordinária história do último ermita

Sinopse:
Em 1986, Christopher Knight, de 20 anos, saiu de casa, no Massachusetts, entrou no carro e conduziu até ao Maine, onde desapareceu na floresta, não tendo qualquer contacto com um ser humano até, passados 27 anos, ter sido preso por roubo. Durante esse tempo, apoiado unicamente na sua coragem e astúcia, aprendeu a armazenar e preservar água e alimentos, roubou comida, material de leitura, roupa e outras provisões, nunca levando mais do que o necessário, mas aterrorizando as povoações próximas com a sua misteriosa onda de assaltos.

Baseado nas longas e pormenorizadas entrevistas que o autor fez a Christopher, Fora do Mundo é o retrato vívido do como e porquê de uma vida em reclusão, assim como dos desafios que Christopher se viu obrigado a enfrentar com o seu regresso ao mundo.

Cinematográfica e surpreendente, é uma história de sobrevivência que nos coloca frente a frente com perguntas fundamentais sobre o que significa ter uma «boa vida», contraponto ao ritmo voraz que o século XXI nos tem imposto.

Sobre o autor:
Michael Finkel é escritor e jornalista, tendo colaborado com publicações como a National Geographic, GQ, Rolling Stone, Esquire, Vanity Fair, The Atlantic e The New York Times Magazine.
Ganhou, em conjunto com o fotógrafo John Stanmeyer, o National Magazine Award para Fotojornalismo. Vive em Montana, nos EUA.

Ficha Técnica:
Edição 2017
Páginas: 208

quinta-feira, 4 de maio de 2017

O Rei do Inverno, de Bernard Cornwell

"Se gostaste de ver O Vikings, vais gostar deste livro"

"Leste As Brumas de Avalon, não leste?"

Foram, basicamente, estes dois argumentos que me fizeram gostar da ideia de ler O Rei do Inverno, do brilhante Bernard Cornwell. Depois, a História, a lenda arturiana... foram "n" os fatores. Peguei ontem nele, e, numa penada, li 68 páginas. 

O Rei do Inverno é o primeiro volume da trilogia Senhores da Guerra.

Estou a gostar imenso. Mal posso esperar para terminar, e ler o segundo volume que já mora cá por casa. 

(e estou a respirar um pouco, depois de alguns - muitos!! - policiais!)

Depois dou feedback!




segunda-feira, 1 de maio de 2017

Aqui entre nós, de Jane Fallon

"Aqui entre nós" é um livro totalmente diferente daquilo que tenho lido. Trata-se de um romance, com alguns "imbróglios", uns momentos de confusão, alguma intriga... foi o primeiro do género há muito tempo. É uma novidade da editora Quinta Essência. 

Sucintamente: Tamsin e Michelle são inseparáveis desde muito jovens. E claro que Tamsin quer o melhor para a amiga. Quando lhe chega aos ouvidos o boato de que Patrick, o marido de Michelle, lhe é infiel, ela põe em prática um plano ousado: utiliza a sua assistente, Bea, como engodo, para ver o que acontece…
Não lhe ocorreu, todavia, que a fiel Bea pudesse ter outras intenções. Além disso, a farsa parece ter ganho vida própria e, de repente, Tamsin dá por si enredada numa grande teia de mentiras. Consumida por sentimentos de culpa, Tamsin encontra-se perante uma situação delicada: conseguirá ela contar a verdade a Michelle sem arruinar a vida de todos?
A grande questão deste livro é: há alguém em quem possamos confiar plenamente?

Sobre a autora: 
Jane Fallon nasceu em Londres e trabalhou como produtora de TV até 2007, altura em que publicou o seu primeiro romance. Após o estrondoso sucesso da sua estreia literária, Jane não mais deixou de escrever, e as suas obras, conhecidas por terem sempre um inesperado lado negro, foram já traduzidas para mais de vinte línguas.
A autora vive em Hampstead com o seu companheiro e um gato. 


Ficha técnica:
Editora - Quinta Essência
Ano de Edição / Impressão - 2017
Número Páginas - 440


sexta-feira, 21 de abril de 2017

Homenagem a Rosa Lobato Faria - LeYa celebra a autora com novas edições

Novas edições, com nova capa, do romance Os Pássaros de Seda e do livro infantil História de Muitas Cores chegam esta semana às livrarias. Ontem à noite, dia 20, juntaram-se familiares e amigos num encontro em que Vitor de Sousa leu poemas de Rosa Lobato de Faria, Eugénio Lisboa falou da vida e obra da autora, e os netos cantaram as letras criadas pela avó.

Por ocasião da celebração da data (20 de abril) em que Rosa Lobato de Faria completaria 85 anos, a LeYa relança algumas das suas obras mais importantes: às livrarias chegam agora uma nova edição, com nova capa, do romance Os Pássaros de Seda (ASA) e uma nova edição, em novo formato e com nova capa de História de Muitas Cores, integrada na Biblioteca Infantil Rosa Lobato de Faria (ASA). Na BIS, coleção de pequeno formato da LeYa, haverá nova edição do romance O Pranto de Lúcifer e a reedição de Os Três Casamentos de Camila S., obra que este ano completa 20 anos de existência.


quarta-feira, 19 de abril de 2017

Chiado Editora desafia à criação na comemoração do Dia Mundial do Livro

Após o sucesso das edições de 2015 e 2016, a Chiado Editora reeditará este ano a iniciativa "Um Livro Num Dia", na comemoração do Dia Mundial do Livro, a 23 de Abril.

Autores reconhecidos, escritores emergentes ou meros sonhadores, podem participar na edição ao vivo de “Um livro num dia”.

 Neste dia, a partir das 09h00, a Chiado Editora vai montar um escritório móvel no Rossio, em Lisboa, onde o público pode apresentar os seus textos originais de forma a integrarem esta edição especial. Os contos devem ser entregues em formato digital (PEN), com um limite de 2.000 caracteres, até às 12h00.

 Nenhum texto será admitido antes das 9h de dia 23 de Abril. Todas as etapas do processo de Edição de um livro terão lugar a 23 de Abril e à vista de todos.

 Todas as fases de construção do livro podem ser acompanhadas in loco, desde a revisão à paginação e design da capa e, às 13h00, o livro segue para a gráfica. Ao final da tarde (18h30), regressa ao mesmo local, onde 1.000 exemplares da obra serão distribuídos gratuitamente ao público.

 O livro ficará então disponível para compra em www.chiadoeditora.com e, no dia seguinte, entrará no circuito comercial podendo ser adquirido junto das maiores lojas.

 Durante a tarde, o escritório mantém-se aberto, em modo OPEN OFFICE DAY, proporcionando a todos os que passem pelo espaço a oportunidade de conhecer os meandros do trabalho editorial, conversar com os nossos  Editores e colocar todas as suas questões, dúvidas, sonhos, projetos, etc.


terça-feira, 18 de abril de 2017

Escrito na Água, de Paula Hawkins

Está quase quase, nas livrarias, o novo livro de Paula Hawkins, a autora do bestseller "A Rapariga no Comboio" (dia 2 de maio). E, mais uma vez, na FNAC, estavam disponíveis as primeiras páginas de "Escrito na Água", num livro-amostra.

um aparte: gosto desta ideia das editoras publicarem pequenos avanços, 
estes livrinhos de amostra, para o potencial leitor aferir se gosta ou não. 
Um ponto para vocês, editoras. Bem jogado!

Como pessoa que assumidamente não sabe nadar, este livro já me parece assustador, dado que estamos perante uma obra que fala de mortes na água. Nas singelas 20 páginas (que li duma assentada, como será fácil prever), fiquei com MUITA vontade de ler tudinho AGORA. Um sentimentozinho egoísta, do tipo "sou muita fixe e li o livro antes de ir para as livrarias". 
Ia-me dando um fanico quando cheguei à parte "Continua". Topseller, vocês seriam os culpados... é tudo o que tenho a dizer. Agora, tenho de esperar como os comuns mortais, para ler o resto... 

Sinopse:
Nel vivia obcecada com as mortes no rio. O rio que atravessava aquela vila já levara a vida a demasiadas mulheres ao longo dos tempos, incluindo, recentemente, a melhor amiga da sua filha. Desde então, Nel vivia ainda mais determinada a encontrar respostas.
Agora, é ela que aparece morta. Sem vestígios de crime, tudo aponta para que Nel se tenha suicidado no rio. Mas poucos dias antes da sua morte, ela deixara uma mensagem à irmã, Jules, num tom de voz urgente e assustado. Estaria Nel a temer pela sua vida?
Que segredos escondem aquelas águas? Para descobrir a verdade, Jules ver-se-á forçada a enfrentar recordações e medos terríveis há muito submersos naquele rio de águas calmas, que a morte da irmã vem trazer à superfície.
Um livro profundamente original e surpreendente sobre as formas devastadoras que o passado encontra para voltar a assombrar-nos no presente. Paula Hawkins confirma, de forma triunfal, a sua mestria no entendimento dos instintos humanos, numa história com tanta ou maior intensidade do que "A Rapariga no Comboio".


Ficha técnica:
Editora Topseller
384 páginas
Lançamento a 2 de maio
Apresentação 10 e 11 de junho, na Feira do Livro de Lisboa (Parque Eduardo VII)