quinta-feira, 26 de abril de 2018

Novidade: O cancro não gosta de beijinhos, de Jessica Reid Sliwerski

Sobre o livro: 
Uma mãe ou um pai são sempre super-heróis, mais a mais quando estão a lutar contra o cancro!

Este livro, extraordinário na sua simplicidade e autenticidade, aborda a forma como o diagnóstico desta doença num adulto pode/deve ser transmitido aos filhos pequenos e como o respetivo tratamento pode/deve ser vivido em família.

Baseado na história verídica de uma mãe a quem foi diagnosticado cancro da mama quatro meses após o nascimento da filha, este livro acompanha todas as fases do tratamento – a cirurgia, a quimioterapia, a queda do cabelo, a radioterapia… –, apostando sobretudo na “cura pelos afetos” e constituindo um excelente ponto de partida para explicar às crianças uma doença tão séria.

Pela ternura e delicadeza com que o tema é tratado, mas também pelo seu pragmatismo, este é um livro claramente susceptível de ajudar, incentivar e motivar os doentes oncológicos na sua luta quotidiana contra a doença que os aflige.

Sobre as autoras:
Jessica Reid Sliwerski é especialista em literacia e entusiasta da leitura, e já foi professora do primeiro ciclo. Este livro foi inspirado na sua própria história de tratamento e recuperação face ao cancro. Vive em São Francisco e gere o site MsReidReads.com.

Mika Song viveu em Manila, nas Filipinas, e em Honolulu, no Havai, até se mudar para Nova Iorque a fim de estudar no Instituto Pratt. Começou por trabalhar em desenhos animados educativos para depois se dedicar a escrever e ilustrar livros infantis. Vive atualmente em Nova Iorque com o marido e a filha e gere o site MikaSongDraws.com.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Novidade: A Língua Resgatada: História de uma Juventude, de Elias Canetti

A Língua Resgatada: História de uma Juventude, de Elias Canetti  (Cavalo de Ferro | 352 pp | 21,98€)

São poucos os escritores que conseguiram alcançar o patamar de Elias Canetti, autor de uma importante obra que abrange os mais variados géneros e estilos literários — do romance e ensaio de grande fôlego aos cadernos de apontamentos, dos epigramas ao teatro —, e da qual desponta uma das mais originais e perspicazes reflexões sobre a condição humana em sociedade, combinando erudição com fulgor narr
ativo.

Primeiro dos três volumes que compõem as suas memórias autobiográficas, que se confundem com a atribulada história do século XX, A Língua Resgatada oferece ao leitor um retrato do contexto pessoal e do desenvolvimento criativo de Canetti durante os anos cruciais da sua juventude.

Da cidade búlgara da infância, verdadeiro cruzamento de povos e culturas, onde o pequeno Canetti toma contacto com mais de seis línguas diferentes, à cosmopolita Manchester ou da imperial Viena à pacata Zurique, são estes os cenários que moldarão o seu crescimento, sempre sob os efeitos da conturbada relação com a mãe, narrados numa prosa íntima, intensa e veloz, que a Academia Sueca não hesitou em considerar «o ponto cimeiro da sua obra».

Os segundo e terceiro livros serão publicado ainda em 2018.

Sobre o autor:
Elias Canetti (Ruse, 1905 – Zurique, 1994), romancista e ensaísta de origem búlgara, foi galardoado com o Prémio Nobel de Literatura em 1981. Proveniente de uma família de judeus sefarditas (a língua materna de Canetti foi o ladino), a sua juventude foi passada entre a Áustria, a Suíça e a Alemanha.

Integra-se nos círculos literários e intelectuais de Viena e Berlim do final dos anos 20, travando conhecimento com figuras maiores do seu tempo: Kraus, Grosz, Babel, Brecht. Em 1938, após a ocupação da Áustria por parte das tropas nazis de Hitler, emigra para Londres, via Paris. Em 1952 recebe a nacionalidade britânica. Auto-de-fé (Die Blendung), o seu primeiro e único romance, data de 1935 e é destinado a inserir o seu nome na história da literatura, ao lado de figuras como as de Musil e de Broch.  Em 1960, publica o trabalho ao qual dedicou três décadas da sua vida, o ensaio Massa e Poder. Estudo fundamental e indispensável sobre a sociedade humana é considerado a sua magna opera, cobrindo múltiplas disciplinas e encerrando uma autêntica visão do mundo.

terça-feira, 24 de abril de 2018

Novidade: Uma Certa Forma de Vida, de Helena Sacadura Cabral

Faz hoje 6 anos desde o falecimento de Miguel Portas, e creio que é o dia certo para publicar este post: o novo livro de Helena Sacadura Cabral, a mãe.

A alegria, a força de viver e a capacidade de enfrentar tempestades são o elemento guia do novo livro de Helena Sacadura Cabral.

De todos os livros que já publicou, este é o mais profundo e orientador livro de Helena Sacadura Cabral. Escrito ao longo de vários meses, Uma Certa Forma de Vida revela toda a sabedoria acumulada ao longo de uma vida repleta de momentos felizes, conquistas e sucessos pessoais e profissionais, mas onde cabem também dias cinzentos, algumas amarguras e a dor maior que é perder um filho.


Para a autora, a capacidade de rir com facilidade e frequência é um tremendo recurso para superar problemas. Talvez seja por isso que sorri mais do que se lamenta. A sua gargalhada é reconhecida e é contagiante.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Dia Mundial do Livro

Recuperei, este fim-de-semana, alguns dos meus livros preferidos de sempre. Que alegria (renovada) voltar a tê-los juntinho a mim... e ainda para mais no dia de hoje!

De "esquecidos" numa caixa de papelão a símbolos do Dia Mundial do Livro - a vida de leitora é bela!


terça-feira, 17 de abril de 2018

Novidade: Sem Saída, de Taylor Adams

Sem Saída, de Taylor Adams
Topseller (17,69€ | 304 pp.)

Em Sem Saída, a protagonista tenta salvar uma criança presa numa carrinha, aparentemente vítima de rapto. Uma história com twists inesperados e um final imprevisível, cujos direitos para a adaptação ao cinema foram já adquiridos pela 20th Century Fox.

Sinopse:
Uma forte tempestade de neve.

Darby Thorne é uma estudante universitária que se encontra a viajar de carro no meio das Montanhas Rochosas, desesperada para ir ter com a mãe ao hospital. Quando é atingida por um forte nevão, Darby é obrigada a permanecer numa área de repouso junto à estrada.

Quatro estranhos e uma criança raptada.

Darby percebe que terá de pernoitar ali, juntamente com quatro estranhos. Até que descobre uma menina numa jaula dentro de um dos carros estacionados em frente à área de repouso. Quem é aquela criança? Porque se encontra presa? E qual dos quatro estranhos será o raptor?

Sem saber em quem confiar, o que fazer?

Não há rede de telemóvel, as linhas telefónicas não funcionam e não há por onde fugir, pois as estradas encontram-se cortadas devido à tempestade de neve. Em quem poderá Darby confiar e como irá ela salvar a criança?

Sobre o autor:
Taylor Adams é um escritor de thrillers bestsellers norte-americano.
Licenciou-se na Eastern Washington University, onde ganhou o Edmund G. Yarwood Award, e vive atualmente naquela cidade. Trabalhou vários anos na indústria televisiva e cinematográfica e, em 2008, realizou a curta-metragem And I Feel Fine. Taylor Adams tem três romances publicados.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Lido: Os Anagramas de Varsóvia

Mais do que um bom livro... mais do que uma história que envolve mistério e investigação... Os Anagramas de Varsóvia é um livro sobre o Holocausto e sobre os terrores sofridos pelas vítimas do nazismo - não falo só dos judeus, mas de todos aqueles que ousaram fazer frente à máquina da guerra, armadilhada por Hitler.

Erik Cohen, o protagonista e narrador desta história, está morto. Sabemos essa informação nas primeiras linhas do primeiro capítulo. E, por alguma razão, surge perante Heniek Corben, em dezembro de 1941, pouco tempo depois de ter morrido. Começa então a contar-lhe a sua própria história.

Em meados de 1940, Erik, um reputado psiquiatra de origem judaica, muda-se para casa da sua sobrinha Stefa e do seu sobrinho-neto, de nove anos, Adam, um gueto na cidade de Varsóvia. As coisas decorriam com uma normalidade aparente quando, um dia, Adam desaparece. No dia seguinte, o corpo de Adam aparece junto ao arame farpado e pior, com uma perna cortada.

Erik e o seu velho amigo Izzy propõe-se a descobrir quem matou o pequeno, até que descobrem, dias mais tarde, que o mesmo voltou a acontecer: uma menina aparece morta e sem uma mão.

Os Anagramas de Varsóvia desenvolvem-se com esta premissa. E ao mesmo tempo, contam uma história de sobrevivência.

Apesar de ser um livro muito bom, gostei muito mais de O Última Cabalista de Lisboa, razão pela qual não lhe dei 5 estrelas no Goodreads. E, mais uma vez, confirmo: arrepio-me sempre com livros desta época. Calhou terminar este livro no mesmo dia em que revi o filme Saving Private Ryan (Steven Spielgberg, 1998) e atesto que a 2.ª Guerra Mundial e as atrocidades que se cometeram durante este confronto não deverão perder-se na memória.

Agora, estamos na iminência de um novo conflito mundial e era bom que as nações perdessem um pouco do seu tempo a meter a mão na consciência e a perguntar-se se querem mais décadas de dor, sofrimento e sacrifícios? Se querem perder mais gente que, no futuro, podem ser ativos fundamentais nas comunidades onde se inserem? Não serão as pessoas bem mais preciosas? Costumo fazer, com o meu filho, um exercício: o que é mais importante - aquilo que lhe pertence ou as pessoas que o rodeiam? Se até uma criança de 5 anos dá mais valor à família e aos amigos do que aos carros e aos legos, também o deveria ser para os adultos... (acho que já me estou a desviar do tema).

Pessoas, é ler. Ainda por cima, na FNAC está a um preço simpático; aproveitem!

domingo, 15 de abril de 2018

Já nas livrarias: Lisboa Revisitada

Lisboa Revisitada reúne poemas sublimes que nos convidam a ver Lisboa pelos olhos do maior poeta moderno português. Nele encontramos sete poemas de Álvaro de Campos que têm a cidade como fundo e fonte de inspiração, a que se juntam as fabulosas ilustrações de Pedro Sousa Pereira.

LISBOA COM SUAS CASAS
Lisboa com suas casas
De várias cores
Lisboa com suas casas
De várias cores,
Lisboa com suas casas
De várias cores…
À força de diferente, isto é monótono,
Como à força de sentir, fico só a pensar.

Lisboa, na obra de pessoa, representa a vida humana na sua realidade crua, servindo de contrapeso, ou contraponto, ao universo de especulação teórica e metafísica que ocupou grande parte da vida mental do autor. (…) A vida corriqueira de Lisboa é o que tantas vezes salva Álvaro de Campos (ou Fernando Pessoa) de si mesmo, conforme escreve Richard Zenith no Posfácio desta obra.
Lisboa Revisitada é o quarto livro desta coleção, que inclui também Tabacaria, Ode Marítima e Ode Triunfal, todos disponíveis em capa dura e em português e inglês. A tradução é e Richard Zenith e os desenhos de Pedro Sousa Pereira, jornalista de profissão e ilustrador por paixão.

104 Págs. l 17,00€
Tradução e Posfácio de Richard Zenith
Desenhos de Pedro Sousa Pereira

sábado, 14 de abril de 2018

Lançamento: A Mente Aprisonada, de Czeslaw Milosz

A Mente Aprisonada, de Czeslaw Milosz
Cavalo de Ferro | 320 pp | 20,99€

Publicada originalmente em 1953, escrita por Milosz durante o seu tempo de exílio em Paris, A Mente Aprisionada é considerada uma obra fundamental e um clássico no estudo do totalitarismo. Através de pequenas narrativas biográficas de intelectuais polacos e a sua relação com o regime comunista em vigor, Milosz, Prémio Nobel de Literatura em 1980, descreve o domínio social completo que este exerceu à época ao subjugar o espírito e as ideias por meio da «transmissão orgânica» de um pensamento único.

Milosz ilumina e resume essa Visão do Mundo e a obediência ao seu Método sedutor e persuasivo num conjunto de textos inovadores e precursores, à época polémicos, que anteciparam as dissidências e denúncias posteriores ao estalinismo. O estilo narrativo único, incisivo e sardónico, erudito e eloquente, que conjuga reflexão filosófica e política com a descrição biográfica quase ficcional, fazem de A Mente Aprisionada uma obra única e incontornável da literatura ensaística, e um dos livros mais influentes e inspira
dores alguma vez escritos sobre o tema. Estava, até hoje, inédita em Portugal. 

Sobre o autor:
Czeslaw Milosz (1911-2004), romancista, ensaísta e poeta, Prémio Nobel de Literatura em 1980, é considerado uma das figuras cimeiras da cultura europeia e da literatura e poesia do séc. XX. Nascido na Lituânia, transcorreu grande parte da sua infância na Rússia czarista, onde o seu pai trabalhava como engenheiro. Depois da I Grande Guerra, a sua região natal é integrada no novo estado polaco e Milosz torna-se cidadão desse país. Recebe uma educação católica. Colabora com a resistência em Varsóvia durante a ocupação nazi, escrevendo e publicando de forma clandestina vários artigos e livros.

Terminada a guerra, Milosz integra o corpo diplomático do novo governo comunista sob orientação de Moscovo e estabelece-se como adido cultural em Paris. Em 1951, abandona o seu cargo e opta pelo exílio político. Aceita depois o convite para lecionar na Universidade da Califórnia Berkeley. Tornou-se cidadão norte-americano em 1970.  Entre as suas obras, além dos volumes de poesia que lhe valeram o prémio Nobel, destacam-se os romances, The Seizure of Power (1953) e The Issa Valley (1955), os volumes de ensaios, A Mente Aprisionada (1953), Native Realm (1958), Visions from San Francisco (1969), The Land of Ulro (1977), A Year of the Hunter (1994) e Milosz’s ABC’s (1997).

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Novidade: The Call, de Peadar O’Guilin

The Call: a Invasão é o segundo livro de Peadar O’Guilin publicado pela Topseller e vem concluir a série com o mesmo nome.

Suspense, terror, fantasia e uma história de amor com um final feliz... ou talvez não!

Sinopse:
Sobreviventes
Nessa e Anto foram dos poucos jovens que conseguiram sair vivos da Terra Cinzenta. Agora, longe da crueldade dos Sídhe, sonham com um futuro feliz a dois.

Caça aos traidores
Mas um inesperado ataque à escola dá início a uma caça às bruxas. As autoridades não acreditam ser possível sobreviver ao Chamamento e, alegando que os sobreviventes fizeram um pacto com o inimigo, rotulam-nos de traidores. Como punição, Nessa é reenviada para a Terra Cinzenta naquela que parece ser uma viagem sem retorno.

A hora da verdade
Entretanto, os bárbaros Sídhe dão início a um ataque mortal, com um exército de horror nunca antes visto. Numa autêntica luta contra o tempo, Anto e os últimos alunos da sua escola enfrentam um inimigo sedento de sangue, procurando uma forma de defender o país e de salvar a vida de todos.

Sobre o autor:
Peadar O’Guilin é um autor irlandês. A sua cidade natal, Donegan, bem como toda a área envolvente, foi uma importante inspiração para o livro The Call.
Habituado desde pequeno a falar não só inglês como também irlandês, a ligação do autor ao folclore e às tradições da Irlanda influencia aquilo que representa nos seus livros.
Vive em Dublin e já escreveu vários romances, contos e peças de teatro, assim como uma série de banda desenhada.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Já nas livrarias: Elmet – Vidas Desencantadas, de Fiona Mozley

Elmet – Vidas Desencantadas é um romance belo, selvagem e inquietante sobre as dicotomias do ser humano, os contrastes da realidade, o sentido de pertença, o amor da família e a violência que todos temos dentro de nós.

Nas suas páginas acompanhamos a viagem de Daniel para Norte. A vida simples que levava com a irmã Cathy e o pai desapareceu; tornou-se ameaçadora e sinistra.

Viviam os três à margem da sociedade, numa casa que o pai construíra no bosque, caçando e procurando comida. O pai dissera-lhes que a pequena casa em Elmet era deles, mas afinal isso não era verdade. E alguns homens daquela terra, gananciosos e vorazes, começaram a vigiá-los de perto.

O pai é pugilista e um homem gigante. Cathy é como o pai: feroz e com uma raiva que permanece à flor da pele. Danny é como a mãe: gentil e sensível. Os três juntos vivem felizes e tranquilos. Mas às vezes, quando o pai desaparece, volta com fúria nos olhos.

Em casa encontra sempre paz, mas a violência que guarda dentro parece aumentar cada dia mais…

Uma história sobre família, amor e violência; uma análise à sociedade contemporânea, ao indivíduo e à realidade, aos conceitos de classe às discrepâncias entre quem somos e quem somos capazes de ser.