quarta-feira, 29 de março de 2017

A Tentação de D. Fernando, de Jorge Sousa Correia

Ando a ler, neste instante, A Tentação de D. Fernando, de Jorge Sousa Correia. E estou a gostar bastante. Após a morte do rei D. Pedro I, o Cruel, sobe ao trono de Portugal, o seu filho D. Fernando, o Formoso.
Conhecido pela sua bela aparência, D. Fernando revela, imediatamente, ser muito menos rígido do que o pai, que havia deixado Portugal em paz e com os cofres cheios.

Não conhecia muito da história de D. Fernando, confesso. Na escola, quando "atravessamos" este período, falamos da crise deixada com a morte do rei, passamos para a Batalha de Aljubarrota... e quando damos por nós, já o Mestre de Avis é Rei de Portugal. 

A diferença entre um romance histórico, fundamentado, e um romance histórico, fundamentado e escrito por um historiador, é que as coisas fluem, sem haver cenas metidas a martelo e, ao ler, fico com a sensação que aprendo efetivamente História de Portugal. 

Sem conversa fiada, com diálogos com pitadas de humor - leiam e deliciem-se com as figuras que aparecem na taberna da Mariamen - este é um livro para quem tem curiosidade histórica. Sabemos de antemão que os factos são factos e que não há espaço para "verdades alternativas".

D. Fernando é apresentado como um rei que vive deslumbrado pelos prazeres que a vida de monarca lhe traz: uma vida sem complicações, mulheres apaixonadas quando lhe apetece... procurado por nobres galegos que o encorajam a reclamar o trono de Castela, distribui riquezas e terras a todos aqueles que lhe afagam o ego. Até que se apaixona por D. Leonor, uma fidalga casada. Mas isso não será impedimento para o Rei, claro, que acaba por se casar com ela, à revelia até dos próprios irmãos.

Nos bastidores, a Rainha D. Leonor (a Aleivosa, como é conhecida) joga um xadrez de manipulações, coloca em lugares de prestígio, pessoas que lhe são chegadas e influencia as decisões de D. Fernando que, só quando é tarde demais, percebe o que se passa. Guerras, traições, demasiados homens mortos...

Em 1383, morre D.Fernando. E o caos instala-se, como bem sabemos. 

Ficha técnica:
Editora - Clube do Autor
432 páginas

Sobre o Autor:
Jorge de Sousa Correia é licenciado em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Serviu na Força Aérea entre 1965 e 1969, tendo sido destacado para Angola nos dois últimos anos. Foi professor de História na Escola Secundária do Pinhal Novo e trabalhou numa empresa metalúrgica. 
Tem publicados os seguintes livros: As Sombras de D. João II, O Mistério do Infante Santo e A Traição de D. Manuel I. 

segunda-feira, 27 de março de 2017

Brevemente: O Inquisidor, de Marcello Simoni

A partir de 6 de abril, estará disponível o novo livro do escritor italiano Marcello Simoni.

Sou confessa apreciadora deste autor. Gosto da forma como, bem documentado, consegue criar narrativas históricas e com uma ponta de suspense, suficiente para querermos voltar a lê-lo. E só de ler o resumo de mais este livro, sinto-me já em pulgas e a querer que o dia 6 de abril seja amanhã.

Sinopse:
Século XVII. A poucos dias do início do Ano Santo, a morte de um frade, consultor da Congregação do Índice, o braço mais recente da Inquisição, agita os meios religiosos. O homicídio desde homem, encontrado com o corpo encravado numa prensa tipográfica e com a boca cheia de papéis impressos tem de ser rapidamente resolvido.

A investigação é entregue ao inquisidor Girolamo Svampa. As suspeitas são muitas, envolvendo desde a Companhia de Jesus até agentes misteriosos de potências rivais. E há ainda a surpreendente ligação ao meio dos impressores e tipógrafos de Roma. Svampa depara-se com personalidades poderosas e a situação revela-se, subitamente, delicada e perigosa.

Criatura de hábitos e pouco diplomata, com uma aversão patológica pela fugacidade do presente, o comissarius trabalha de acordo com um código moral rígido. Conseguirá desvendar o crime sem comprometer os seus princípios?

Marcello Simoni cria neste romance uma extraordinária figura de detetive: um dominicano racional como um cientista mas simultaneamente perito em ciências ocultas. Um homem que trabalha em nome da Igreja, embora questione certos comportamentos eclesiásticos. Com efeito, Svampa é filho de um impressor acusado de heresia e transporta consigo uma marca gravada a fogo que nunca cicatrizou…

Ficha Técnica:
O Inquisidor
Tradução de Maria Irene Bigotte de Carvalho
352 Págs. | PVP: 17,50 €
Clube do Autor

quarta-feira, 22 de março de 2017

Imaculada, de Paula Lobato de Faria (divulgação)


(qualquer semelhança com o nome Rosa Lobato de Faria não é coincidência - Paula é prima da inesquecível Rosa Lobato de Faria)

Imaculada, nas livrarias a partir de 6 de Abril, é o romance de estreia de Paula Lobato de Faria e a grande aposta da editora Clube do Autor no segundo trimestre deste ano. Paula Lobato de Faria, doutorada em Direito e professora da Universidade Nova de Lisboa, tem várias publicações internacionais nas áreas do direito da saúde, bioética e direitos humanos mas este é o seu primeiro livro de ficção.

Habilmente ambientado no Portugal profundo dos anos 50, Imaculada é uma obra na linha dos nossos melhores romances de época e um retrato crítico da condição humana. Paula Lobato de Faria surge assim como um novo nome a seguir com atenção na literatura portuguesa.

Teresa Matos, coordenadora-geral:
“a publicação deste romance vem reforçar a aposta da editora na literatura nacional, presente desde sempre na nossa estratégia de diversificação editorial”.

Paula Lobato de Faria vem assim juntar-se a nomes como João Felgar, António Brito, João Morgado, João Paulo Guerra, Jorge Sousa Correia e Paulo Ramalho, entre outros.

Teresa Matos salienta também o trabalho de continuidade no que diz respeito à publicação de autores estrangeiros e destaca um dos últimos sucessos da editora.
“O Leitor do Comboio, recém-chegado às livrarias, está a ser muito bem-recebido tanto pelos livreiros como pelos leitores portugueses e esse feedback é muito animador.”

Já na área da não ficção, a editora mantém a aposta nos livros de História, Economia e Política com edições previstas dos livros Os Bárbaros (Canal de História), Dirty Secrets - How Tax Havens Destroy The Economy, um livro sobre o impacto dos offshore na nossa economia, e USA - Modo de Usar, de Clara Ferreira Alves, ainda no primeiro semestre deste ano.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Clube do Autor - divulgação: O Leitor do Comboio

Já se encontra no mercado nacional, o primeiro livro de Jean-Paul Didierlaurent, um romance de estreia cujos direitos de publicação já foram vendidos para mais de 30 países. O Leitor do Comboio é um livro sobre o amor pelos livros, uma história sobre vidas comuns tocadas pela força do amor e da literatura.

Guylain, o protagonista do livro, é um homem aparentemente simples, uma criatura de hábitos: faz sempre as mesmas coisas, nos mesmos horários. O comboio das 6h27, as pessoas que partilham a mesma carruagem, as paisagens que marcam o caminho, a leitura em voz alta, a rotina de volta da máquina de abate de livros, as folhas (sempre duas, arrancadas dos livros condenados), o peixe no aquário no seu regresso a casa.

Um homem apaixonado pelas pequenas coisas, uma rotina com algo de Amelie Poulain, e um certo charme nessa simplicidade.

Até que dois acontecimentos inesperados alteram completamente o sentido da sua vida.

O Leitor do Comboio revela um universo singular, pleno de amor e poesia, em que as personagens mais banais são seres extraordinários e a literatura remedia a monotonia quotidiana. Herdeiro da escrita do japonês Haruki Murakami, dotado de uma fina ironia que faz lembrar Boris Vian, Jean-Paul Didierlaurent demonstra ser um contador de histórias nato.


O Leitor do Comboio
Tradução de Inês Castro
196 Páginas l PVP: 15,00€

Críticas:

"Leitura Obrigatória". L’ Express

"A ideia original e o tom vivo fazem de O Leitor do Comboio uma obra cheia de encanto. É de saudar esta homenagem à literatura e à leitura". Lire

"Um belo testemunho da universalidade do amor pelos livros". Livres Hebdo

"Jean-Paul Didierlaurent escreveu uma das mais belas declarações de amor à leitura". La Razón

quinta-feira, 16 de março de 2017

Silenciadas, de Kristina Ohlsson

Demorei uma pequena eternidade a ler. Aliás, nas últimas semanas tenho lido muito pouco, e quando pego num livro, ou no tablet, leio 2/3 páginas e logo coloco de lado, porque o cansaço acumulado é mais que muito.

Em janeiro, andámos à procura de casa. Projeto esse que colocámos de parte, e avançámos para obras na nossa casa... em fevereiro. Estamos a meio de março, e terminei esta semana, um livro que me acompanhava há mais que muito tempo.

"Silenciadas" de Kristina Ohlsson. Retomei a leitura do thriller escandinavo. E começamos logo  "bem". Estamos na Suécia. Uma jovem é surpreendida por alguém que a viola. Noutro cenário, um atropelamento. E num terceiro, um casal é encontrado morto na sua casa... uma carta suicida acompanha os cadáveres.

Fredrika Bergman, juntamente com a equipa de investigação de Alex Recht, é encarregada destes casos, aparentemente, desconexos.

Contrabando humano, crimes por encomenda... duas irmãs: uma morta e outra desaparecida... à medida que a polícia vai investigando, as pistas transportam os membros da equipa a factos ocorridos há mais de 20 anos.

É um bom livro de se ler, porque nas suas quase 350 páginas, "desvendamos" os casos e acompanhamos a intimidade dos protagonistas: a equipa do Departamento de Investigações Criminais. Conhecemos os problemas que os afetam a todos, e que pesam na concentração e atenção que estas pessoas dão às investigações que têm em mãos.

Sobre a Autora:
Kristina Ohlsson nasceu em Kristianstad, no sul da Suécia, e hoje vive em Estocolmo. É cientista política, ex-analista estratégica de segurança da Polícia Nacional da Suécia e trabalha como agente contra o terrorismo na Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).