quinta-feira, 16 de março de 2017

Silenciadas, de Kristina Ohlsson

Demorei uma pequena eternidade a ler. Aliás, nas últimas semanas tenho lido muito pouco, e quando pego num livro, ou no tablet, leio 2/3 páginas e logo coloco de lado, porque o cansaço acumulado é mais que muito.

Em janeiro, andámos à procura de casa. Projeto esse que colocámos de parte, e avançámos para obras na nossa casa... em fevereiro. Estamos a meio de março, e terminei esta semana, um livro que me acompanhava há mais que muito tempo.

"Silenciadas" de Kristina Ohlsson. Retomei a leitura do thriller escandinavo. E começamos logo  "bem". Estamos na Suécia. Uma jovem é surpreendida por alguém que a viola. Noutro cenário, um atropelamento. E num terceiro, um casal é encontrado morto na sua casa... uma carta suicida acompanha os cadáveres.

Fredrika Bergman, juntamente com a equipa de investigação de Alex Recht, é encarregada destes casos, aparentemente, desconexos.

Contrabando humano, crimes por encomenda... duas irmãs: uma morta e outra desaparecida... à medida que a polícia vai investigando, as pistas transportam os membros da equipa a factos ocorridos há mais de 20 anos.

É um bom livro de se ler, porque nas suas quase 350 páginas, "desvendamos" os casos e acompanhamos a intimidade dos protagonistas: a equipa do Departamento de Investigações Criminais. Conhecemos os problemas que os afetam a todos, e que pesam na concentração e atenção que estas pessoas dão às investigações que têm em mãos.

Sobre a Autora:
Kristina Ohlsson nasceu em Kristianstad, no sul da Suécia, e hoje vive em Estocolmo. É cientista política, ex-analista estratégica de segurança da Polícia Nacional da Suécia e trabalha como agente contra o terrorismo na Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

Sem comentários:

Enviar um comentário