domingo, 19 de julho de 2009

Amor Portátil

De Pedro Paixão.

Este foi mais um daqueles livros que comprei na última Feira do Livro de Leiria. Antes de o ler, passou pelas mãos da minha mãe, porque, infelizmente, tenho tido menos tempo livre para me dedicar. Ela disse "foi uma seca".

Quando o agarrei e comecei a ler, percebi a minha mãe. Pedro Paixão não é simples, não é convencional, não tem um começo... este autor, simplesmente, escreve. E lindamente!

"Amor Portátil" é um conjunto de histórias. 'Short stories' para ser mais exacta. Não consigo dizer qual gostei mais, mas sei dizer qual me impressionou mais.

Lódz

No ghetto de Lódz uma mulher de 42 anos aproximou-se do arame farpado pedindo à sentinela que a matasse. O soldado exigiu que primeiro dançasse e depois de a ver dançar atirou à queima-roupa. Foi no dia 11 de Novembro de 1941 em Lódz, na Polónia, como já disse, ou em qualquer outro lugar.


Simplesmente isto! Simplesmente Pedro Paixão!

Sem comentários:

Enviar um comentário