sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Herzog

Depois de ter 'devorado' (não literalmente) quatro livros de Agatha Christie, tive de me voltar de novo para a minha estante de livros ainda por ler. Ainda tenho alguns (muitos!) em lista de espera, mas o crime, o mistério e o suspense levaram-me a interromper a leitura do que já havia em casa.

Terminado o livro 'As Dez Figuras Negras' onde o assassino é... (bem... leiam), segue-se o livro do galardoado Saul Bellow, 'Herzog'.

Sinopse do livro (retirado do site Bookcrossing):
Moisés Herzog, um professor de Filosofia cuja carreira começou brilhantemente mas que se estancou nos últimos tempos, é abandonado pela sua segunda mulher, Madalena, que encetou uma relação com o melhor amigo dele, Velantim. Herzog revê então o seu passado - os seus dois casamentos, os filhos, a sua carreira académica, as suas infidelidades - e escreve obsessivamente cartas - a maior parte jamais enviada - às pessoas da sua vida, bem como a diversas personagens públicas. Assim se apresenta a crise de Herzog e o modo como tenta recompor a sua vida e identificar o caminho a seguir a partir desse ponto.

Sobre o autor, retirado da Wikipédia e adaptado:
Saul Bellow (1915 - 2005) foi um escritor judeu nascido no Canadá e naturalizado cidadão norte-americano. Recebeu o Nobel de Literatura de 1976. Premiado com o Guggenheim Fellowship, viveu em Paris, onde escreveu 'The Adventures of Augie March'.
Bellow dominou o cenário da ficção americana, em especial o do romance judeu-americano no pós-guerra. O seu trabalho expressa a ascensão da sensibilidade dos imigrantes judeus a um lugar de poder e visão na América urbana contemporânea, bem como a angústia moral daqueles quer se viram como sobreviventes do Holocausto - como Sammler, herói de seu livro 'Mr. Sammler's Planet'.

Sem comentários:

Enviar um comentário