quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Rio flores

"Rio das Flores resulta de um minucioso e exaustivo trabalho de pesquisa histórica, que serve de pano de fundo a um enredo de amores, paixões, apego à terra e às suas tradições e, simultaneamente, à vontade de mudar a ordem estabelecida das coisas. Três gerações sucedem-se na mesma casa de família, tentando manter imutável o que a terra uniu, no meio da turbulência causada por décadas de paixões e ódios como o mundo nunca havia visto. No final sobrevivem os que não se desviaram do seu caminho. "

Críticas de imprensa
"Com uma intenção narrativa atomizada pelas imperfeições das pessoas e os seus percursos, esta é, sobretudo, uma reflexão sobre a vida (inteira), a alternância política e as suas diferentes ideologias." Ruben P. Ferreira


"(...) este é um livro com muita força que se lê com a avidez e o prazer do leitor que quer saber como é que tudo aquilo acaba e o pode conseguir através de páginas muito bem escritas sobre algumas vidas que se desenvolveram num tempo trágico ainda próximo de nós, mas felizmente cada vez mais distante do nosso próprio tempo..." Vasco Graça Moura, in Jornal de Letras

É o próximo que se segue...o que me fará companhia durante umas largas horas.

Gosto das palavras utilizadas no primeiro excerto da crítica de imprensa..."imperfeições das pessoas".

Já leram...gostaram...ou nem por isso?!

SmS

3 comentários:

  1. ora bem, vale a pena ler, mas estás sempre à espera do rasgo de inspiração e do corolário da história, e ele não chega. não está ao nível do equador, mas vale a pena perder tempo.

    ResponderEliminar
  2. ah...não tem pontos de viragem?!
    Eh pá...isso já é 1 motivo desmoralizador...

    :(

    ResponderEliminar
  3. Finalmente acabei a leitura deste livro.
    É...tal com o S. G. ex - Fernando Pessoa disse... não chega ao nível do Equador mas vale a pena perder o tempo...a mim agradou-me mais a parte da história do que dos romances...a meu ver...previsiveis...mas é bem, fiquei com uma ideia do que se passava no mundo naquela altura... :)

    ResponderEliminar