terça-feira, 28 de junho de 2011

Relato de um náufrago, de Gabriel Garcia Márquez

Mais um livro impressionante assinado pelo escritor colombiano. Desta feita, trata-se do relato de Luis Alejandro Velasco, marinheiro no contratropedeiro Caldas que naufragou em 28 de Fevereiro de 1955.

De acordo com a "História desta história", este é o relato mais fiel do que foi o naufrágio - contado à revelia da Marinha colombiana - e do que Luis Alejandro Velasco passou nos dez seguintes, a tentar sobreviver no mar, numa balsa, sem comer nem beber.

Depois de chegar a terra, Luis Alejandro Velasco é "sequestrado" pelas Forças Armadas de forma a que não se soubesse que o naufrágio se devia a uma série de faltas gravíssimas (tal como o transporte ilícito de mercadorias), que não permitiram que o navio fosse bem manobrado.

Sete homens morreram no naufrágio e apenas Luis Alejandro Velasco sobreviveu. A verdadeira história foi publicada em 1970, em 14 dias consecutivos e assinada pela mão de GGM.

É um relato cru, sempre na 1.ª pessoa, e sem "xaropadas" romanceadas. É a história de alguém que lutou duramente para sobreviver.

sábado, 25 de junho de 2011

Raptada na noite, de Patricia MacDonald

Tenho por hábito nunca ler só um livro de cada vez; às vezes, dou por mima ler três (ou quatro) livros em simultâneo. Parece esquizofrénico. Confesso que é, mas não consigo ser de outra forma.

Por exemplo: recomecei há algum tempo a ler "As Brumas de Avalon" e ainda não terminei o 3.º, porque entretanto foram-se metendo outros pelo meio e a mala não consegue transportar muitos livros em simultâneo.

Um dos livros que esteve na minha mesa-de-cabeceira até há pouquíssimo tempo foi "Raptada na noite", da autora Patricia MacDonald, uma edição do Círculo de Leitores.

Sinopse do livro, no site do Círculo de Leitores:
Tess tem de voltar a Stone Hill, na Nova Inglaterra. Seguiu em frente, é hoje uma mulher independente, forte, uma boa mãe. Mas algo a chama de volta à cidade de infância. Chamam-nas as boas e as más memórias. Há anos atrás, numa divertida saída em família a irmã foi raptada e morta. Só Tess assistiu ao rapto e o seu testemunho foi vital para a condenação de Lazarus Abbot. Agora, quando o passado parecia já sarado, um teste de ADN prova a inocência de Abbot e lança a dúvida: quem matou afinal a sua irmã?

Desta autora, já tinha lido "Casada com um desconhecido", cuja sinopse está aqui: link.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Não contes a ninguém, de Karen Rose

Mary Grace sofre no hospital com dores. No meio do sofrimento, ouve a voz do marido Rob. Ele segreda-lhe que, para a próxima vez, a mata.

Caroline tem um segredo; à excepção de Dana e, do seu próprio filho, Tom, ninguém sequer desconfia.

Mary Grace e Caroline são a mesma pessoa. Depois de conseguir fugir a um marido violento, Mary assume uma nova identidade e uma nova vida. E durante 7 anos consegue levar uma vida relativamente normal e calma, sem sobressaltos de maior, até ao dia em que a polícia retira o seu carro do fundo de um rio e Rob consegue descobrir onde estão a mulher e o filho.

Crime, suspense (algum terror também, devo acrescentar) e um romance são alguns dos ingredientes desta história que prende a atenção desde o início e nos faz ficar fãs de Mary Grace / Caroline.

Este deve ser, provavelmente, o 4.º livro desta autora que leio. Agora que acrescentei um mini motor de busca ao blogue, façam o favor de pesquisar as restantes 3 "críticas", bem como a identidade da senhora, espalhados algures no éter do "Capa Mole e Companhia".

quinta-feira, 23 de junho de 2011

A Aventura de Miguel Littin, Clandestino no Chile

Terminei ontem o livro "A Aventura de Miguel Littin, Clandestino no Chile", assinado por Gabriel García Marquez (cortesia da revista Sábado, que desde há umas semanas tem "oferecido" livros de autores Prémio Nobel).

O livro, sempre "falado" na 1.ª pessoa, narra o regresso ao Chile, de Miguel Littin, um consagrado realizador e produtor chileno, que tinha sido exilado do seu País, após o golpe de Estado que colocou Augusto Pinochet no poder.

Miguel entra clandestinamente no Chile, com documentos falsos, personalidade falsa e aspecto completamente alterado de forma a não ser reconhecido (a determinada altura nem a sogra, nem a própria mãe o reconhecem...) e aí permanece cerca de seis semanas, tempo suficiente para filmar e entrevistar pessoas para um documentário de cerca de quatro horas.

Trata-se de um relato / reportagem impressionante, tanto do ponto de vista da escrita, como das emoções sentidas por Miguel Littin após algum tempo afastado da sua pátria. O medo que as pessoas tinham de Pinochet, bem como a adoração que nutriam por Allende é palpável a cada página.

Segundo vim a investigar posteriormente, o documentário "Acta General de Chile" foi lançado em 1986, foi galardoado no Festival de Veneza e fez aumentar a pressão internacional contra o regime do general ditador (Fonte: http://pt.shvoong.com/books/481994-aventura-miguel-littin-clandestino-chile/#ixzz1Q6F89Ybz).

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Conspiração - Dia do Juízo Final, de Sidney Sheldon

Coincidências não existem. Foi essa a conclusão que o comandante Robert Bellamy chegou quando as testemunhas de um evento muito particular iam morrendo uma a uma.

Bellamy foi contratado para descobrir o paradeiro de um grupo de passageiros de um autocarro, que assistiu à queda de um objecto que a Agência de Segurança Nacional americana pretende que fique em segredo.

A missão era simples: localizar esse grupo. Apenas e tão somente.

Essas pessoas, aparentemente, sem nada em comum foram sendo entrevistadas por Bellamy que, juntando as peças, deu por si envolvido num jogo de "gato-e-rato" com aqueles que o haviam contratado.

É um livro que sai ligeiramente dos parâmetros a Sheldon me havia habituado. Tem uma história mais fantasiosa do que o habitual - só para adiantar, envolve OVNI's e extraterrestres. Não gostei tanto como dos que li anteriormente.

domingo, 5 de junho de 2011

O Vale dos Cinco Leões

Quando Jane conhece Ellis não fazia ideia que este homem pertencia aos quadros da CIA. E quando descobre, deixa-o, por se considerar traída, apesar de o amar.
Quando conhece o médico Jean-Pierre e aceita acompanhá-lo para o Afeganistão numa missão de socorro médico, também não desconfia que este é um espião do KGB e que denuncia os guerrilheiros afegãos aos militares russos.

E é este o mote do livro "O Vale dos Cinco Leões", de Ken Follett. Comprei este livro durante a Feira do Livro de Lisboa, para tentar perceber as razões pelas quais Ken Follett é o escritor "da moda".

Este livro não me deixou muiiiiittttoooo impressionada, apesar de bem escrito e bem sustentado com pormenores históricos. Talvez perca um pouco com as descrições do amor que une Jane e Ellis. Perde-se ligeiramente e, a dada altura, dei por mim a pensar se não estaria a ler qualquer coisa de Danielle Steel. Vou ter de ler "Os Pilares da Terra", para mudar a minha opinião, com certeza.