quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Livros aos montes

Termina no sábado a colecção do 'Correio da Manhã' da Agatha Christie. Alegrem-se, porque daqui a uns dias termina a vosso tortura de levar com resumos de livros de suspense que, talvez, muitos de vós, já leram.

Nos anos, a minha melhor amiga ofereceu-me o livro 'Kafka à beira-mar', de Haruki Murakami. Um que já andava a 'namorar' há bastante tempo. Nos entremeios, perdi um livro da colecção da 'Sábado'. E entretanto recebi o livro de Pedro Passos Coelho - sem qualquer ligação ideológica, apenas o recebi, pelo facto de ter feito a cobertura da apresentação do livro em Leiria.

Já tenho muito com que me entreter. Sem contar com aquelas dezenas que ainda não li e que andam espalhados pelos quatro cantos desta casa.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

O Enigma do Sapato

Já me perdi na contagem do número de livros de Agatha Christie que já li; até porque, por falta de tempo, não consigo dar aqui conta da minha rotina de leituras. Depois de 'Um Amor Assassino' (Julie Garwood), voltei a pegar nos meus livrinhos de capa escura e de um suspense à séria.

Entretanto, descobri - por artes mágicas - que tinha outros livros 'perdidos' numa gaveta cá de casa e que ainda não tinham sido lidos. Falo de um '2 em 1' da mesma Agatha Christie, 'O Exorcista'(William Peter Blatty) e 'O Incêndio' (Storm Jameson). Às tantas, acabei também por adquirir o 'Grande Livro dos Segredos dos Códigos - um guia ilustrado de sinais, símbolos, cifras e linguagens secretas'. Enfim... vícios.

Sinopse de 'O Enigma do Sapato', retirado do site Shvoong:
Hercule Poirot vai a uma consulta de rotina no seu dentista e não imagina que, pouco tempo depois, o pobre homem vai aparecer morto. Tudo parece indicar que o homem se suicidou e o inspector-chefe Japp, da Scotland Yard, pede ajuda a Poirot na investigação. Ao darem conta da morte de um paciente do dentista, pensam ter sido esse o motivo do suicídio. Segundo a conclusão a que chegou o tribunal ele teria, por engano, administrado uma dose excessiva de anestesia ao paciente provocando-lhe a morte e suicidara-se por isso. No entanto, Poirot não fica convencido com este resultado. Na opinião do detective há, neste caso, factos que não foram explicados e julga que podem estar envolvidos na sua morte outros pacientes que estiveram nesse mesmo dia no consultório, tais como um grande financeiro. o seu sobrinho (um jovem revolucionário com ar de quem podia matar alguém). Uma benfeitora que trazia calçado um estranho par de sapatos e o namorado da secretária do dentista.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Um Amor Assassino

Gosto de ler livros da Julie Garwood, mas ela peca por defeito: histórias que tinham tudo para serem bons suspenses, acabam como uma quase novelinha de cordel. E é pena. Acabei de ler 'Um Amor Assassino' e, às duas por três, vi-me a saltar duas ou três páginas - até ao início do capítulo seguinte - por estar farta de cenas de amor, num suposto policial.

Sinopse do livro, retirada e adaptada do site Círculo de Leitores:
Jill abandonou a filha com apenas três anos de idade. Diabólica sedutora tenta, mais tarde, raptar a própria filha, Avery, assassinando a avó que tomara conta dela. Essa menina, amada e abandonada, sobrevive tornando-se uma analista criminal do FBI. Por incrível que pareça a filha de uma sociopata cresce equilibrada. Mas o passado persegue-a. O desaparecimento da tia levam-no a um perturbante encontro com a mãe e um vicioso assassino.
Inteligente, ponderada, atenta a cada detalhe.
A vida testou Avery Delaney, desde criança. Abandonada pela mãe, foi criada pela avó e pela tia.
Aliciada para umas férias nas montanhas do Colorado, a tia, Carolyn, desaparece. Avery cruza-se então com um antigo agente da CIA, John Renard, que segue no encalço de um perigoso assassino conhecido por Monk. John sabe exactamente o tipo de crueldade de que ele é capaz e quando descobre a sua parceria com uma mulher de nome Jill Delaney - a mãe de Avery - decide avisá-la do perigo...


Entrevista com a autora... aqui. Por Círculo de Leitores.